sexta-feira, setembro 10, 2010

Estrelas cintilantes (21)... Varallo

A sua morte eclipsou a última estrela que restava no céu que paira sobre os encantadores e saudosos caminhos do primeiro Campeonato do Mundo de futebol. A sua existência estava para o “Desporto Rei” como a Mona Lisa guardada a “sete chaves” no Louvre parisiense para a humanidade. O seu adeus ao mundo dos vivos significou o desaparecimento da única recordação viva do mágico Mundial de 1930. Francisco Varallo, “El Cañoncito” do futebol argentino deixou-nos no passado dia 30 de Agosto com a mágica idade de 100 anos e é sobre ele que o MVF abre hoje prepositadamente as suas portas.
Nascido em La Plata (província de Buenos Aires) a 5 de Fevereiro de 1910 “Pancho” Varallo cedo começou a evidenciar os seus dotes futebolísticos nas “canchas” imaginárias das artérias do país da pampas. Aos 14 anos era já uma das estrelas do clube da sua terra, o 12 de Octubre, onde seria rotulado de “El Cañoncito” (o pequeno canhão) devido ao seu forte e habilidoso poder de remate. Com 18 anos foi chamado pelo “gigante” Estudiantes para um treino experimental, um treino que acabaria por prolongar-se por três jogos particulares efectuados com a camisola do clube de La Plata nos quais “Pancho” apontaria 11 golos! Posicionando-se no rectângulo mágico como avançado seria no entanto no rival do Estudiantes, o Gimnasia y Esgrima, que Varallo faria em 1929 a sua estreia oficial numa principal equipa sénior. E a estreia de “El Cañoncito” no futebol sénior não poderia ter corrido melhor, pois nesse mesmo ano o Gimnasia sagrava-se campeão argentino depois de derrotar o Boca Juniors na final. E seria curiosamente no mítico clube de “La Bombonera” que “Pancho” Varallo actuaria nas seguintes nove temporadas, o mesmo será dizer também até ao final da sua carreira. Com a camisola do Boca venceria mais três campeonatos argentinos (1931, 1934, e 1935), tendo-se tornado até há muito pouco tempo no maior goleador de sempre do clube de Buenos Aires com 180 golos em 210 encontros realizados, um célebre recorde só batido por Martín Palermo em 2008.
A transferência do Gimnasia para o Boca ficou a dever-se em grande parte às magníficas exibições de Varallo com as cores da selecção da Argentina durante o Mundial de 30, o primeiro da FIFA, e realizado como se sabe no Uruguai. “Pancho” era o elemento mais novo de uma equipa que viria a sagrar-se vice-campeã do Mundo depois de cair aos pés da fabulosa selecção do Uruguai (por 4-2) numa épica final ocorrido no “sagrado” Estádio Centenário, em Montevideu.
Um desfecho que poderia muito bem ter sido outro não fosse uma bola enviada à baliza uruguaia ter embatido na trave da mesma quando o resultado era de 2-1 a favor dos argentinos. O autor desse azarado remate? Francisco Varallo, o elemento mais novo em campo da primeira final de um Campeonato do Mundo da FIFA. Neste primeiro grande certame futebolístico de âmbito Mundial Varallo apontou um golo (ante o México na 1ª fase).
“Pancho” retirou-se dos campos com apenas 29 anos, na sequência de uma grave lesão no joelho. Estavámos no ano de 1939, dois anos depois de “Pancho” ter vencido a sua única competição com a camisola da Argentina (a qual representou em 16 ocasiões) vestida: a Copa América.
Seguidamente o MVF apresenta um precioso texto encontrado – e esquecido – nas “profundezas do báu das histórias de encantar da bola”, da autoria do jornalista Jorg Wolfrum, publicado há pouco mais de quatro anos na revista Kicker, texto esse traduzido posteriormente para a revista Trivela (Brasil) e que retrata uma entrevista feita ao único homem – na altura – vivo que jogou o primeiro Campeonato do Mundo. Aqui fica transcrita na integra esta “pérola literária da bola”...

Este senhor jogou a final de 30

Aos 95 anos, o ex-atacante argentino Francisco Varallo é o último sobrevivente da final do primeiro Mundial. O “Pequeno Canhão” recorda à revista Copa’06 (nota: posteriormente viria a chamar-se Trivela) como foi aquela partida em Montevidéu vencida por 4 a 2 pelos uruguaios

por Jorg Wolfrum

“Palo borracho” floresce com beleza na praça Brandsen, em La Plata. Tudo é muito bonito, em branco e rosa, mas a memória da bola salva por (José Leandro) Andrade em cima da linha, na final da Copa de 30, permanece viva.

Já dá para enxergar, em uma das esquinas onde cruzam as ruas 60 e 25, a Lotérica Francisco “Pancho” Varallo, localizada ali há mais de 30 anos. Em Outubro, um apostador ganhou ali um milhão de pesos (pouco menos do que o mesmo valor em reais). A casa dos fundos foi construída por Don Pancho em 1932 com os 8 mil pesos de seu primeiro salário recebido como jogador do Boca Juniors. “Uma quantia astronômica”, recorda-se o último sobrevivente da final da primeira Copa do Mundo, em 1930, no Uruguai. Antes disso, ele recebia 20 pesos por semana, para jogar pelo Gimnasia y Esgrima de La Plata.

Os tempos eram outros. No “superclássico” de 1933, contra o River Plate, por exemplo, um policial queria prender Varallo porque um adversário segurou seu braço numa disputa de bola. E ele o quebrou. “Imagine só a situação”: um baixinho de 1,65 m de altura, com chuteiras tamanho 37, no meio dos grandalhões raivosos do River. Enquanto se lembra, suas rugas profundas formam um sorriso de orelha a orelha e fazem parecer menor seu grande nariz e quebram a rigidez de seu rosto.

Os tempos eram outros. Mas se aquela maldita bola tivesse entrado quando ele defendia a seleção Argentina... Num instante desaparece seu sorriso. Nesse momento, as rugas ficam ainda mais profundas em sua testa e Francisco Varallo parece irritado consigo mesmo. Mesmo com os 181 gols que marcou em 210 jogos como atacante do Boca. Uma média de 0,86 gol por partida, até hoje um recorde -e um pouco melhor até que a média de Gerd Müller na Bundesliga (365 gols em 427 partidas). Mas aquela maldita bola não queria entrar. “Nós teríamos sido campeões do mundo”.

Foi em 30 de julho de 1930, no Estádio Centenário de Montevidéu, então o maior da América Latina. Contra o Uruguai, então o melhor time do mundo. Varallo bate a mão na mesa. Não que essa lembrança o deixe irritado o tempo todo. Para isso, o homem chamado de “Pequeno Canhão” já havia vivido o bastante.

Em 1929, tornou-se campeão com o Gimnasia y Esgrima, ainda na era do amadorismo. Como profissional, conquistou três títulos com o Boca. E, com a seleção argentina, o Campeonato Sul-Americano de 1937. Ele construiu a casa onde vive até hoje e também uma para seus pais. Mas a lembrança desse momento contra o Uruguai insiste em não desaparecer de sua memória.

Depois do 1 a 0 de Dorados, Peucelle e Stabile, os artilheiros do primeiro Mundial, colocaram os visitantes na frente antes do intervalo. “Éramos claramente superiores no primeiro tempo e tínhamos de marcar pelo menos uns quatro ou cinco gols antes do intervalo”, recorda-se Varallo, que com dez minutos do segundo tempo chutou uma bola na trave. “Você tem de acreditar em mim”, ele insiste. E ele é o último dos jogadores que esteve em campo naquela partida. Nem mesmo ele consegue acreditar.

Para fugir dessa lembrança, ele muda o assunto para a comemoração do centenário de seu Boca Juniors, quando foi ovacionado. Mais aplausos do que Varallo só Diego Maradona recebeu. “De repente vieram crianças pedir para tirar uma foto comigo e que eu lhes desse autógrafos. Sabe o que eu respondi a eles?”

O que, Don Pancho?
Que eles haviam me dado o melhor presente da minha vida. “Mas vocês nunca me viram jogar”. E eles me responderam: “Por causa do senhor, Don Pancho, meu avô virou torcedor do Boca Juniors. E por isso, eu também sou”. Então contei um pouco aos garotos a respeito dessa final.

Também da sua chance desperdiçada?
Claro, mas ainda pior. Pois o Fernandez baixou o sarrafo em mim e voltei a sentir uma contusão no joelho que já me havia tirado da semifinal. Mas, naquela altura, o jogo já era uma guerra.

E havia mesmo ameaças de morte?
Levamos isso muito a sério. Cinco, seis de nós estavam se borrando de medo e nem queriam entrar em campo. Mas fui ao treinador e falei que já estava recuperado e pronto para jogar.

E não era verdade?
Era uma mentirinha, mas eu precisava fazê-lo. Mesmo eu sendo castigado no segundo tempo. Mas eu estava lá! Um moleque de 20 anos, que conseguiu realizar sua vontade.

Qual era o clima no estádio?
Inacreditável. Na época, todos os estádios eram menores. Só construíram aquele monstro (o Centenário) para a Copa do Mundo no Uruguai. Nunca havíamos visto nada igual. Era uma loucura aquele ambiente.

Você pode se explicar melhor?
Era bárbaro, uma insanidade. Meu pai mesmo precisou comprar uma bandeira uruguaia, senão teria sido morto. Na época, em Buenos Aires, existiam rumores de que o vencedor já estava certo antes do jogo. Tudo bobagem. No final das contas, ganharam da gente só porque tiveram mais culhões. Com força, brutalidade e também com astúcia. Com isso, eles conseguiram nos intimidar. E isso me deixa até hoje com raiva. Foi uma vergonha.

Por que isso aconteceu?
Eles eram mais experientes e nós, apenas uns moleques. E mesmo assim não poderíamos ter deixado isso acontecer. Quando Monti e Suarez se machucaram, aí já era. A bola pesava uma tonelada e não podíamos substituí-los. Com oito jogadores, não tínhamos chance e por isso eles marcaram três vezes e fizeram 4 a 2.

Mas a vitória foi merecida?
Claro, eles não eram bandidos, vilões. Poderiam ter ganho por até 8 a 2. Mas tínhamos prometido a vitória para Gardel.

Carlos Gardel, o rei do tango?
Ele foi à nossa concentração. Ficamos tão emocionados que até choramos. Mas depois de cantarmos um tango juntos. Então Gardel falou: “Muchachos, deixem a canção comigo. Vocês, tratem de se concentrar na final”.

A medalha do vice-campeonato lhe foi roubada anos atrás. O que resta é o tango em sua homenagem: “Varallo, Varallito, querido Varallo”. Mas o homenageado ainda espera por um bisneto. “Alguém na família tem de jogar futebol”, diz. “Mas só tivemos meninas”.

Em Fevereiro, ele foi homenageado mais uma vez, agora pela Conmebol, no Paraguai. Mas ele preferia ter ficado em La Plata e tomar uma taça de vinho, como fazia 65 anos atrás, na Copa do Mundo. “Não que a gente estivesse lá apenas para se divertir”, explica. Afinal, o melhor futebol foi jogado nas margens do rio da Prata. “Não podíamos nos acabar na farra”. E o boato de que Lucien Laurent, autor do primeiro gol da história das Copas do Mundo, teria comemorado seu feito num bordel? “Pura lenda”.

O presidente da AFA, Julio Grondona, convidou Varallo para ir à Alemanha acompanhar a Copa do Mundo. E ele quer muito ir com sua filha Maria Teresa, que toma conta da lotérica –isso quando sua artrose permite. “Não há nada mais lindo do que o futebol”. E chutes no travessão fazem
parte, infelizmente.

Legenda das fotografias:
1- Francisco Varallo com a camisola do seu Boca
2- Exibindo classe com as cores do clube de La Bombonera
3- Jogando pela Argentina diante do México no Mundial de 1930

Vídeo: PANCHO VARALLO RELEMBRA, EM ENTREVISTA, AS MEMÓRIAS DO PRIMEIRO CAMPEONATO DO MUNDO
video

Um comentário:

Armando Pinto disse...

Descobri agora este blog, e, tendo procurado, verifiquei que também dedica espaço ao futebol português e, no que me toca, ao F. C. Porto. Gostei dos posts sobre o Pinga e do Porto-Arsenal, dos que já li.
Ora, vendo que está aqui trabalho digno de apreço, porém sem costumar receber comentários, julgo que deveria começar também a enviar comentários para outros bogues, de forma a que haja (re)conhecimento.
Pela minha parte, para começar a andar a par do que colocar, vou começar a segui-lo na lista do meu blog
http://www.longara.blogspot.com/

Cumprimentos
Armando Pinto