segunda-feira, junho 27, 2022

Flashes do Eslováquia 2022/Europeu de Sub-19 (12)...

Grupo B / 3.ª jornada

Áustria - Sérvia: 3-2

Golos: Querfeld (2), Wallner / Lazetic, Ratkov

Austríacos acabam com sonho sérvio de avançar no Europeu...

Flashes do Eslováquia 2022/Europeu de Sub-19 (11)...

Grupo B / 3.ª jornada

Israel - Inglaterra: 0-1

Golo: Delap

Derrota com sabor a vitória a Israel que assim avança paras as meias-finais... 

sábado, junho 25, 2022

Flashes do Eslováquia 2022/Europeu de Sub-19 (10)...

Grupo A / 3.ª jornada

Roménia - Eslováquia: 0-1

Golo: Griger 

Despedida em beleza dos anfitriões com um golo apontado em horas extras... 

Flashes do Eslováquia 2022/Europeu de Sub-19 (9)...

Grupo A / 3.ª jornada

França - Itália: 4-1

Golos: Tchaouna (2), Da Silva, Arconte / Volpato

Estes pequenos gauleses jogam mesmo muito!!!... 

quinta-feira, junho 23, 2022

Flashes do Eslováquia 2022/Europeu de Sub-19 (8)...

Grupo B / 2.ª jornada

Inglaterra - Sérvia: 4-0

Golos: Scarlett (2), Chukwuemeka, Jebbison 

Seleção dos Três Leões carimba passagem à fase seguinte com um poker... 

Flashes do Eslováquia 2022/Europeu de Sub-19 (7)...

Grupo B / 2.ª jornada

Israel - Áustria: 4-2

Golos: Abed, Lugasi, Madmon, Gluh / Jasic, Demir

Israelitas dão passo importante rumo a uma inédita presença nas meias-finais de um Euro de sub-19...

quarta-feira, junho 22, 2022

Flashes do Eslováquia 2022/Europeu de Sub-19 (6)...

Grupo A / 2.ª jornada

França - Roménia: 2-1

Golos: Tchaouna, Adeline / Coubis

Relaxamento dos franceses na segunda parte ia correndo mal... 

Flashes do Eslováquia 2022/Europeu de Sub-19 (5)...

Grupo A / 2.ª jornada

Eslováquia - Itália: 0-1

Golo: Ambrosino

Anfitriões foram teimosos na hora de dizer adeus à fase seguinte do seu Euro... 

segunda-feira, junho 20, 2022

Flashes do Eslováquia 2022/Europeu de Sub-19 (4)...

Grupo B / 1.ª jornada

Inglaterra - Áustria: 2-0

Golos: Chukwuemeka, Devine

Com classe a jovem armada britânica resolveu o quebra-cabeças austríaco... 

Flashes do Eslováquia 2022/Europeu de Sub-19 (3)...

Grupo B / 1.ª jornada

Sérvia - Israel: 2-2

Golos: Lazetic, Lekovic / Gloukh, Ibrahim

Israelitas vestiram o fato de underdogs perante favoritos sérvios que só nos descontos salvaram um ponto...

Flashes do Eslováquia 2022/Europeu de Sub-19 (2)...

Grupo A / 1.ª jornada

Itália - Roménia: 2-1

Golos: Baldanzi, Volpato / Andronache

Jovem prodígio (Volpato) da Roma acaba com resistência dos duros romenos... 

Flashes do Eslováquia 2022/Europeu de Sub-19 (1)...

Grupo A / 1.ª jornada

Eslováquia - França: 0-5

Golos: Virginius (2), Bonny (2), Tchaouna

Manita francesa ensombrou estreia dos anfitriões...

quinta-feira, junho 16, 2022

Grandes Mestres do Jornalismo Desportivo (21)... David Sequerra

Tempos houve em que os bons mestres da pena transportavam os seus conhecimentos técnico táticos do Belo Jogo para a prática e tornaram-se igualmente em notáveis mestres da tática. Trocado isto em miúdos, para dizer que o nosso país teve outrora grandes jornalistas desportivos que foram em simultâneo notáveis treinadores. O caso mais saliente terá sido talvez o de Cândido de Oliveira, cuja carreira – nas mais variantes facetas do mestre – já aqui foi esmiuçada em diversas ocasiões. Mas outros seguiram-lhe, por assim dizer, as pisadas e deixaram o seu nome na história do nosso futebol. E é sobre um desses mestres de duas facetas que vamos hoje traçar umas breves linhas.

Falamos de David Sequerra. Nasceu em Lisboa a 21 de junho 1933 e formou-se em engenharia, ciências históricas e ciências pedagógicas. Paralelamente às funções de agente técnico de engenharia, o bichinho pela escrita desportiva cedo o levou para um campo bem distinto da sua formação académica, sendo que com 18 anos inicia a sua brilhante carreira de jornalista no Mundo Desportivo, jornal onde desenvolveu a esmagadora maioria dos anos de ligação ao jornalismo e onde no qual se tornou numa lenda. Ali, foi subdiretor de pessoal e redator principal. Cedo mostrou de igual modo uma inclinação para o futebol de formação, estando constantemente atento às promessas emergentes do Desporto Rei, e dando-lhes o devido destaque na imprensa.

Conhecendo pois como ninguém os meandros do futebol jovem em Portugal e com apenas 28 anos o seu nome ficaria imortalizado na nossa história, tendo em conta que foi ele o selecionador nacional que conduziu a nossa nação ao seu primeiro título internacional: o de campeão europeu de juniores. Estávamos em 1961, e o Campeonato da Europa da categoria teve lugar em solo luso. Com José Maria Pedroto na condição de treinador de campo e David Sequerra enquanto selecionador, Portugal esmagou a Polónia no Estádio da Luz a 8 de abril desse ano, e sagrou-se campeão europeu.

O dirigismo foi igualmente outra das suas grandes paixões, e cinco anos depois deste êxito como selecionador esteve na génese do CNID – Associação dos Jornalistas de Desporto. Foi um dos fundadores e associado número 3 desta entidade. Foi também membro fundador da Academia Olímpica de Portugal (AOP), tendo integrado o Comité Olímpico de Portugal a partir de 1976, tendo sido secretário-geral do organismo entre 1980 e 1989. Foi nesta condição que esteve presente nos Jogos Olímpicos de Los Angeles (1984) e de Seul (1988), sendo que na condição de jornalista já havia estado nas Olimpíadas de Roma, em 1960.  Do seu currículo como jornalista destaca-se ainda o cargo de Diretor, durante alguns anos, de O Sesimbrense, jornal de Sesimbra, bela localidade costeira situada próximo de Setúbal onde fixou residência.

Em 2012 recebe a medalha de Mérito Desportivo, atribuída pelo Governo Português. Foi também agraciado, a título de exemplo, pela organização do mundialmente prestigiado Torneio de Toulon – competição destinada ao futebol de formação -, tendo além de muitos textos escritos sobre este torneio, David Sequerra estado como selecionador na primeira edição da competição, em 1967. Sobre a vocação de David Sequerra para este campo do futebol de formação, o CNID refere que biografia que traça deste homem que «o seu trabalho jornalístico, no período em que este foi mais permanente, reflete com evidência, um trabalho insano de análise e de promoção dos jovens futebolistas que despontavam, ao tempo das suas atentas observações. Muitos desses atletas ficaram-lhe a dever apoio, conselhos e soluções para os seus futuros profissionais. Nos vários jornais nacionais, desportivos e/ou generalistas, noutras publicações também estrangeiras, ou na Imprensa Regional, onde David Sequerra publicou um acervo valioso de textos, manteve este tema como assunto recorrente».

No sentido de perpetuar a figura deste homem, a AOP criou já no novo milénio um concurso de jornalismo, sobre a temática olímpica, destinado a jornalistas da Imprensa Regional, cujo prémio se denomina… David Sequerra. 

Esta ilustre figura faleceu do dia 14 de janeiro 2016.

quinta-feira, junho 09, 2022

Jogos Memoráveis (3)... Desportivo de Chaves - Universitatea de Craiova (Taça UEFA de 1987/88)

Em 1987 Chaves e o interior de Portugal
entram no mapa do futebol europeu
Já diz o chavão que "para lá do Marão mandam os que lá estão". Tem sido assim com o passar dos anos no sentido de vincar a garra e determinação do povo transmontano em muitos aspetos da vida, sendo que o futebol não é exceção.

Vem isto a propósito de um jogo que ficou para a história não só desta região como de todo o interior do nosso país, já que até aos dias de hoje nunca mais a Velha Europa do Futebol teve como palco o muitas vezes esquecido interior português. Este encontro foi o capítulo principal de uma caminhada europeia também ela histórica, atendendo a que estávamos perante um clube que cumpria somente a sua terceira temporada ao mais alto nível do futebol luso, ou seja, a 1.ª divisão. Chegar a uma competição europeia ao fim de apenas duas épocas de contacto com os chamados grandes do futebol português é obra, e mais ainda se chegados ao palco europeu, sem qualquer tipo de experiência nestas andanças, conseguir superar uma eliminatória e vender muito cara a derrota na ronda seguinte. Um feito ao alcance de poucos clubes, sendo uma dessas raras e (hoje) históricas exceções é o Grupo Desportivo de Chaves. 

O "onze" do Chaves que em Trás-os-Montes defrontou e venceu o Craiova

A chegada à Europa do futebol deu-se como consequência do brilhante 5.º lugar obtido no Nacional da 1.ª divisão de 86/87. Sob o comando técnico de Raul Águas o emblema transmontano superou o também brilhante 6.º lugar alcançado na época anterior, precisamente a estreia no escalão maior do nosso futebol. Emílio Macedo e Sousa (1924-2017) era por estes dias um homem feliz, ele que na condição de presidente da Direção levou o Chaves não só à 1.ª divisão como também à Europa no curto espaço de três anos. 1987/88 é pois ainda hoje uma temporada marcante e carregada de nostalgia na vida dos flavienses, sobretudo daqueles que assistiram à performance dos pupilos de Raul Águas nos relvados onde atuaram. E é sobre uma dessas performance, ou exibições, que hoje iremos falar, mais concretamente do encontro da 2.ª mão da 1.ª eliminatória da Taça UEFA 87/88, que viria a ser ganha pelos alemães do Bayer Leverkusen, mas que teve no Desportivo de Chaves, quiçá, a primeira grande surpresa. O sorteio ditou que os flavienses defrontassem na ronda inaugural da competição os romenos da Universitatea de Craiova. Nunca será por demais frisar o poderio que o futebol do leste europeu ostentava naqueles anos, sendo que apenas duas épocas antes da Roménia havia saído um campeão da Europa, o Steaua de Bucareste.

O forte plantel do Universitatea de Craiova em 87/88

Perante isto, e aliado à inexperiência dos transmontanos, a balança do favoritismo pendia para o clube de Craiova, onde pontificavam nomes como o guardião Silviu Lung - que havia brilhado no Europeu de 1984 ao serviço da seleção romena -, Mircea Irimescu, Gheorghe Popescu - que viria a destacar-se na década de 90 não só ao serviço da sua seleção nos Mundiais de 90, 94 e 98, como também com as cores do Barcelona e do Galatasaray, onde venceu, respetivamente, uma Taça das Taças e uma Taça UEFA -, Nicolae Negrila, Emil Sandoi, entre outros artistas que marcaram o futebol romeno de então. Uma equipa de respeito, por isso, que nos dez anos anteriores havia vencido quatro campeonatos nacionais e outras tantas taças romenas.

O batismo europeu do Chaves aconteceu em solo romeno, depois de 24 horas de viagem (!) e debaixo de uma temperatura escaldante de 45 graus (!), mas que mesmo assim não sufocou os portugueses, que em Craiova venderam caro a derrota por 2-3, e onde até estiveram a vencer por 2-0.

Nada estava perdido, muito pelo contrário, e ainda faltavam 90 minutos no Municipal de Chaves, e já se sabe que "para lá do Marão, mandam os que lá estão". E assim foi.

Vermelhinho foi um diabo à solta no Municipal
E eis que chegávamos ao dia 30 de setembro de 1987, uma quarta-feira de tarde, dia em que a cidade parou para ver o seu Desportivo na alta roda do futebol continental. Pela primeira vez as competições europeias de futebol chegavam a Trás-os-Montes e ao interior de Portugal. Era um momento histórico e nem os vizinhos espanhóis quiseram faltar à festa que lotou por completo a catedral do futebol flaviense. Se fosse pela falange de apoio que teve nessa tarde, o Chaves já tinha passado a eliminatória, algo que a bola viria a confirmar 90 minutos mais tarde no relvado do Estádio Municipal.

No livro "40 Anos de Vida do Grupo Desportivo de Chaves", da autoria de António Saldanha, e Álvaro Coutinho, conta-se como os flavienses deram a volta à eliminatória. «Com Vermelhinho em plano de grande brilho, o Desportivo de Chaves conseguiu no seu estádio dar a volta ao resultado da primeira mão e anular a desvantagem que trazia da Roménia. Não foi um triunfo fácil, mas os flavienses mereceram inteiramente o desfecho favorável da partida, prosseguindo assim nesta que pode ser uma aventura maravilhosa na Taça UEFA», pode ler-se no livro.

Vermelhinho, um dos nomes mais sonantes daquele plantel do Chaves comandado por Raul Águas, um homem que em Trás-os-Montes vivia a sua primeira experiência como treinador após pendurar as chuteiras de jogador, precisamente com a camisola azulgrana do Desportivo flaviense. Vermelhinho era com toda a certeza o jogador mais experiente dos transmontanos em matéria de competições europeias, já que na temporada anterior havia-se sagrado campeão europeu ao serviço do FC Porto, clube este que agora o cedia por empréstimo durante uma temporada ao Desportivo.

Mais um lance de perigo para a baliza de Lung
Mas havia outros bons valores para lá do Marão, casos do defesa central brasileiro Jorginho, dos guarda-redes Padrão e Fonseca, ou das estrelas búlgaras Georgi Slavkov e Radoslav Zdravkov - imortalizado em Chaves como Radi-, sendo que a título de curiosidade este último havia sido titular na seleção do seu país no Mundial do México, disputado pouco mais de um ano antes. Havia também muita gente da terra, e da região envolvente, que talvez no início da sua carreira nunca tenha imaginado este momento ímpar na história da cidade de do clube. Jogadores como Diamantino Braz (que dedicou uma vida ao Desportivo), Gilberto, ou Ramadas, sabiam como ninguém o que significava esta presença na Europa do futebol para Trás-os-Montes.

Mas voltando a um jogo onde "Vermelhinho jogou, fez jogar e marcou", como salientaram os autores do atrás citado livro que conta parte da história do clube, para dizer que o Municipal de Chaves cedo explodiu de alegria, já que «aos cinco minutos e quando o público não estava ainda perfeitamente instalado nos seus lugares, o Desportivo abriu o ativo. Foi na sequência de um canto do lado direito do seu ataque. A bola foi parar aos pés de Slavkov que abriu uma brecha por entre os defesas e abriu a contar». Estavam decorridos somente cinco minutos de um encontro que havia iniciado com bastante vivacidade, onde desde o apito inicial do norte irlandês Oliver Donnelly o Chaves deu indicações de que queria marcar golos.

«Após o tento inaugural o Chaves baixou o seu ritmo, com a partida a conhecer um período de alguma monotonia, muito embora coubessem sempre aos donos da casa as melhores ocasiões para marcar». A título de exemplo, mais uma endiabrada jogada de Vermelhinho, que aos 36 minutos «isolou-se frente ao guarda-redes Lung, mas disparou de forma a permitir a defesa do seu antagonista, que tapou bem o ângulo de remate».

Três minutos depois e cheirava novamente a golo no Municipal, altura em que Jorginho de cabeça, «dentro de área atirou por cima da barra, num lance que merecia melhor sorte, tendo na jogada seguinte o mesmo Jorginho evitado o 1-1, ao oferecer o corpo à bola num disparo de um avançado romeno». Apesar de o Chaves ter sido a equipa mais perigosa no ataque, a primeira parte terminou sob o signo do equilíbrio. «Quando a bola ia para os pés de Slavkov ou Radi a defesa do Universitatea de Craiova tinha bastantes dificuldades em anular os lances».

«No período complementar o Chaves reapareceu determinado, pressionando o adversário, com Vermelhinho a falhar por um triz dentro de área, aos 53 minutos, e Slavkov a atirar junto ao poste, aos 54, em duas jogadas de bom recorte técnico. O 2-0 surgiu aos 62 minutos, por intermédio de Vermelhinho, num remate cruzado dentro de área e depois de uma desmarcação em jogada de entendimento com Serra».

O segundo golo flaviense foi protestado pelos romenos, que alegaram junto do árbitro britânico um hipotético fora de jogo, que não viria a ser assinalado e «estava feito o segundo golo dos locais e se já antes havia otimismo, neste momento ninguém presente no Municipal acreditou que a eliminatória pudesse ser perdida».

Porém, os romenos reagiram e levaram então algum perigo à baliza de Padrão, cuja inspiração ajudou e muito a segurar o triunfo. A defesa flaviense esteve à semelhança do seu guarda-redes muito segura, cometendo poucos erros, sendo que uma das raras exceções aconteceu ao minuto 83, altura em que o Universitatea de Craiova apontou o seu golo. «Num canto, Ghita saltou melhor que os defesas do Chaves e atirou para o fundo das malhas. Tudo tentaram os romenos para marcar mais um golo, mas os flavienses sacudiram muito bem a pressão e conseguiram assim passar à segunda fase da prova que, diga-se, merecida».

Se alguns jornais destacavam as exibições de Vermelhinho, Jorginho e Gilberto como a chave para este êxito, outros órgãos de comunicação referiam que o segredo desta vitória e consequente passagem à 2.ª eliminatória da Taça UEFA foi o coletivo.

O sonho europeu dos flavienses terminou precisamente na segunda ronda, ao serem batidos pelos húngaros do Honved, com uma derrota em solo português, por 1-2, e por 3-1 em Budapeste.

Mas para a histórica fica mesmo a vitória dos flavienses diante do Craiova cuja ficha técnica foi a seguinte:

Estádio Municipal de Chaves. Árbitro: Oliver Donnelly (da Irlanda do Norte).

Desportivo de Chaves: Padrão, Cerqueira, Garrido, Jorginho, Serra, Gilberto, Radi, Diamantino, David, Vermelhinho e Slavkov. Treinador: Raul Águas. Substituições: Júlio Sérgio entrou para o lugar de Slavkov aos 63 minutos, e Vicente entrou para o lugar de Radi aos 84 minutos.

Universitatea de Craiova: Silviu Lung, Gheorghe Popescu, Adrian Popescu, Nicolae Negrila, Emil Sandoi, Vasile Manaila, Marian Rada, Pavel Badea, Gheorghe Ciurea, Ion Geolgau e Viorel Vancea. Treinador: Constantin Otet. Substituições: Ao intervalo Nicolae Ghita entrou para o lugar de Gheorghe Ciurea, e aos 68 minutos Mircea Irimescu entrou para o lugar de Ion Geolgau.

ENTREVISTA COM JÚLIO SÉRGIO, QUE RECORDA: 

A «LOUCURA TOTAL» VIVIDA EM CHAVES PELA VITÓRIA ANTE OS ROMENOS

Ele foi um dos homens que ajudou a escrever esta história com sotaque de Trás-os-Montes. Não só participou neste jogo como também viveu o início do "conto de fadas" flaviense no mais alto escalão do futebol português, já que a sua primeira época em Chaves coincidiu com a estreia do Desportivo na 1.ª divisão, em 85/86. Com formação feita no FC Porto, este médio vivenciou no emblema azulgrana os seus primeiros dias de glória no futebol sénior. Aquando da vitória sobre o Universitatea de Craiova ele tinha apenas 22 anos, tendo vivido a sua primeira experiência europeia ao nível de clubes, após ter entrado na segunda parte para o lugar de Slavkov. Nesta entrevista ele recorda-nos não só esta sua experiência como também este momento que faz parte da história do Grupo Desportivo de Chaves. Sem mais demoras passemos à conversa com Júlio Sérgio.

Júlio Sérgio
Museu Virtual do Futebol (MVF:) Imaginava quando chegou a Chaves, em 1985/86, ano de estreia do clube na 1.ª divisão, que dois anos depois estaria a disputar uma prova europeia?

Júlio Sérgio (JS): Naturalmente que não, mentiria se dissesse que iríamos construir um marco histórico no panorama futebolístico nacional.

MVF: Qual foi o segredo que esteve na base deste sucesso, isto é, para terem alcançado tão boas classificações nas duas primeiras temporadas de 1.ª divisão que vos iriam conduzir até à Taça UEFA?

JS: Tínhamos um grupo muito unido com jogadores que queriam aparecer e mostrar o seu valor, além que o facto de vivermos com as famílias perto uns dos outros fortalecia a nossa união. Até nos treinos havia competição (saudável) nas equipas formadas para disputar as peladinhas, havia a equipa de baixo e a equipa de cima. Como nos divertia-mos.

MVF: Para uma região que até então era órfã das grandes tardes/noites europeias este feito pode ser considerado ainda mais épico...

JS: Sim claro que sim, estávamos a transportar o nome de uma região que até então era desconhecida e que se tornou numa das melhores regiões de Portugal.

MVF: Chegados à temporada de estreia na Taça UEFA, e assim que o sorteio ditou que o Universitatea de Craiova iria ser o vosso oponente, qual foi a primeira coisa que vos passou pela cabeça?

JS: Não ia ser fácil, mas o transmontano não desiste e sabíamos do nosso potencial.

MVF: O facto de o clube ser oriundo de uma região isolada num Portugal que tinha acabado de entrar na CEE assustou-vos na hora de jogar com uma equipa de um país (Roménia) que dava cartas no futebol europeu de então?

JS: Assustar não, mas tínhamos respeito por uma das melhores equipas da Europa na época. Mas não tínhamos nada a perder e havia toda uma região a precisar de nós.

Raul Águas, o timoneiro
do Chaves europeu
MVF: Conheciam alguma coisa do Universitatea de Craiova, algum jogador em especial, ou simplesmente foram de "olhos fechados", por assim dizer, para esta eliminatória?

JS: Conhecíamos o clube, mas pouco sabíamos acerca deles. Mas tínhamos o nosso chefe (mister) que sabia muito de futebol e nos guiava em todos os momentos.

MVF: E como é que as gentes de Chaves, de toda aquela região, viveram esta experiência europeia?

JS: Loucura total, foi indescritível o quanto fomos acarinhados e o quanto essa gente viveu o momento.

MVF: A derrota em Craiova esmoreceu-vos, ou pelo contrário, sentiram que em Chaves iriam fazer jus ao velho chavão transmontano "para lá do Marão mandam os que lá estão" e iriam eliminar os romenos?

JS: Usámos em muitos jogos esse chavão, mas, pelo que tínhamos feito no primeiro jogo sentimos que era possível tornar o sonho realidade e passar a eliminatória.

MVF: Começou o encontro da segunda mão no banco, entrando na segunda parte, e pergunto-lhe como é que viveu as emoções deste jogo tão de perto?

JS: Eram muitas e desgastantes, mas sobretudo a sensação de que era possível passar a eliminatória superava isso tudo.

MVF: Quando entrou no segundo tempo que indicações lhe deu Raul Águas?

JS: Em relação a conversa com o Raul sinceramente não me lembro do ele me disse.  Mas o Raul sempre que eu ficava no banco e entrava era muito pragmático ao dizer-me "vais entrar e conto contigo para ganhar o jogo", ou se estivéssemos a ganhar queria que eu controlasse os tempos de jogo. Era muito moralizador.

MVF: Como se pode explicar a vitória do Chaves neste encontro e a consequente passagem da eliminatória, por outras palavras, qual foi o segredo deste triunfo?

JS: União. Essa é a explicação para tanto sucesso e principalmente para esse triunfo ante os romenos.

MVF: Houve festa no balneário depois desta vitória, por certo...

JS: Claro, nestas ocasiões e depois de saltos abraços ...só queríamos ir para fora do estádio, pois sabíamos que tínhamos os flavienses a querer festejar connosco.

MVF: E Raul Águas, de que forma vos motivou para este encontro, e o que vos disse depois desta vitória?

JS: Sinceramente não posso dizer, mas uma coisa é certa, o Raul é um homem que sempre nos tratou quase como colegas, a motivação dele era diária, e nesse jogo além de se rir muito deu-nos os parabéns. Não sabia ser diferente.

Houve festa rija na capital 
do Alto Tâmega
MVF: Na eliminatória seguinte o sonho europeu acabou diante do Honved. O que faltou para o Chaves ir mais longe nesta aventura europeia?

JS: Eu ter falhado um penalti no jogo da primeira mão em casa, pois talvez se tivesse concretizado haveria mais hipóteses de passarmos. A falta de traquejo europeu da equipa também explica o facto de termos sido eliminados pelo Honved.

MVF: Esteve quatro temporadas consecutivas em Chaves, precisamente o período de estreia na 1.ª divisão e na Taça UEFA. Como é que caracteriza aquele grupo que ajudou a cimentar o Chaves como um clube não só de dimensão nacional como o principal emblema de uma região (Trás os Montes)?

JS: Uma família, desde o presidente, aos diretores, massagistas, médicos, roupeiro, motorista. todos eram fenomenais. Depois nós, jogadores, comíamos todos no mesmo restaurante, viajávamos todas as semanas para Chaves juntos, fazíamos férias com a família juntos, vivíamos todos no mesmo prédio, e em dias de folga jogávamos as cartas juntos (com o mister), e sabíamos que havia uma região por trás de nós que tínhamos de pôr no mapa nacional. Foi uma experiência incrível.

terça-feira, junho 07, 2022

Arquivos do Futebol Português (24)...

Fundado no dia 8 de Dezembro de 1911, este tornou-se ao longo dos anos num dos mais populares e queridos clubes do nosso país. Clube este que dá pelo nome de Sport Comércio e Salgueiros, o qual na temporada de 1917/18 viveu o seu primeiro momento de glória, ao vencer o Campeonato Regional do Porto, uma prova iniciada quatro anos antes, e que tinha como grande dominador do FC Porto, vencedor nas três edições anteriores, tendo o Boavista vencida a edição inaugural. O título dos encarnados de Paranhos foi carimbado na última e decisiva jornada do regional portuense de 17/18. Os salgueiristas visitavam o reduto do vizinho e rival Boavista, onde venceram por 3-0 e selaram a conquista. Nas páginas do jornal Sport de Lisboa, destacava-se que os do Bessa sem alguns dos seus principais jogadores com os quais havia iniciado a temporada - não será por demais recordar que por estes anos o futebol portuense ficou sem muitos dos seus intérpretes, os quais foram mobilizados para a I Guerra Mundial - sucumbiu perante um Salgueiros de qualidade. Terá sido, no entanto, um jogo duro, disputado nos limites, tendo os salgueiristas pagado caro a dureza com a expulsão de Couteiro ainda primeira parte. Porém, a expulsão terá sido perdoada no segundo tempo pelo juiz do encontro, João Diogo, que readmitiu em campo o atleta expulso (!!!), um atitude que deixou incrédula a assistência (boavisteira) e o cronista do encontro que rotulou esta atitude do árbitro de "excessiva". Além de duro este foi um jogo animado, com bons momentos de futebol, assim nos contou o Sports de Lisboa. Esta época no futebol distrital da Cidade Invicta fica marcada pela zanga entre o FC Porto e a Associação de Futebol do Porto, tendo os portistas acusado esta última entidade de não cumprirem os regulamentos, ao que a associação, com o apoio de muitos clubes da região, procedeu de pronto à suspensão do clube azul e branco da sua principal competição. 1918 foi mesmo um ano negro para o FC Porto, que além desta suspensão e de ter visto interrompida a sua hegemonia no Campeonato Regional, viu uma das suas estrelas da época tombar às mãos da guerra. O seu nome era Joaquim Vidal Pinheiro, nascido a 16 de dezembro de 1892 no Porto, tendo-se tornado na década de 10 num dos mais exímios atletas do emblema azul e branco. Entre os seus feitos como jogador destaca-se o facto de ter ajudado o clube a conquistar a primeira edição da Taça Monteiro da Costa, o primeiro grande título da história do FC Porto, em 1911. Mobilizado para a guerra, viria a tombar em combate na histórica Batalha de La Lys, no dia 9 de abril de 1918. Seria sepultado em França, no Cemitério Militar de Vieielle Chapelle, mas em 1921, o seu corpo foi transladado para o Cemitério do Prado do Repouso, na cidade do Porto.

Mas voltando ao cetro regional arrecadado pelos salgueiristas nessa temporada, para a história desta temporada ficam mesmo os nomes dos atletas que estiveram na génese deste êxito: Lino, Santos, Emílio, Xavier, Couteiro, Machado, Augusto, Sampaio, Mesquita, Almeida e Abrahão.

Benfica campeão de Lisboa em 1918

A sul, o mesmo será dizer em Lisboa, o Benfica sagrou-se novamente campeão do regional, num campeonato também muito marcado pelo conflito militar internacional, que fez com que muitos jogadores estrangeiros (na sua esmagadora maioria ingleses) que atuavam em muitos emblemas da capital tivessem de regressar aos seus países para combater. Nesse sentido o Campeonato de Lisboa foi composto somente por três clubes, a saber, o Benfica, o Sporting e o Império. Os benfiquistas terminaram a primeira volta do curto campeonato na primeira posição, fruto de duas vitórias, 2-0 sobre o Império na 1.ª jornada, e 2-1 sobre o grande rival Sporting na ronda seguinte. Isto em janeiro, sendo que a prova só regressaria em março (!), sendo que na 3.ª jornada derrotaram novamente o Império, desta feita por 2-1, sendo que na derradeira ronda conheceriam a sua única derrota na competição, aos pés do Sporting, por 1-3. Artur Garcia, Carlos Guimarães, Francisco Vieira, Alberto Mata, Clemente Guerra, Luís Caldas, Francisco Nunes, Henrique Costa, José Maria Bastos, Francisco Belas, Artur Augusto, Rogério Peres, António Brás, Fernando Jesus, Fausto Peres, Carlos Homem de Figueiredo, Silvestre Rosmaninho, Constantino Tetas, Cândido de Oliveira, Vítor Gonçalves, Manuel Crespo, Silvestre Silva, Jesus Crespo, Manuel Veloso, Ribeiro dos Reis, Alfredo Mengo, Luís Vieira, Carlos Sobral, Alberto Augusto, Alberto Rio e Herculano dos Santos, foram os homens que integraram o plantel orientado pelo treinador Cosme Damião que se sagrou vencedor da principal prova futebolística de Lisboa de então.

sexta-feira, junho 03, 2022

Arquivos do Futebol Português (23)...

A equipa do Marítimo que em 1916/17 conquistou
o primeiro Campeonato Regional da Madeira

A temporada de 1916/17 no futebol português fica marcada pela fundação de um novo organismo regional, no caso a Associação de Futebol da Madeira (AFN). Não foi um parto fácil, já que a nova associação apenas viu a luz do dia ao fim de nove reuniões preparatórias. O primeiro passo oficial foi dado por dois dos clubes da ilha, mais concretamente o União Futebol Clube e o Grupo Desportivo Insulano, que a 28 de setembro de 1916, levam por diante a primeira reunião, realizada na sede do primeiro emblema. Porém, seria apenas no dia 19 de outubro de 1916, na sede do Insulano, que se aprovariam os estatutos da associação, cujo primeiro presidente da Direção foi o tenente José Bettencourt da Câmara (1879-1927).

Harry Hinton 
Abra-se aqui um parêntese para referir a título de curiosidade que a bola já rolava na ilha desde a última metade do século XIX, havendo ainda hoje muitos historiadores que defendem que o primeiro jogo de futebol em Portugal aconteceu precisamente na Madeira, na zona da Camacha, no Largo da Achada, em 1875, por iniciativa de Harry Hinton, um jovem de origem inglesa nascido no Funchal a 8 de janeiro de 1857. Harry era filho de William Hinton, um empresário britânico que se estabeleceu na ilha em 1838, local onde se estabeleceu na área do comércio e indústria, mais concretamente no mobiliário, em produtos em vime, na produção da banana, e na atividade fabril açucareira. Harry deu continuidade aos negócios do pai, e paralelamente à atividade profissional era um profundo entusiasta do futebol, e reza a lenda que no regresso de uma das viagens realizadas a Inglaterra trouxe na bagagem uma bola de futebol, reunindo posteriormente no Largo da Achada alguns amigos seu da elite madeirense de então e sem respeitar as regras do jogo e com cariz de puro lazer terá então organizado os primeiros matchs de futebol. Outros historiadores apontam Cascais como o local onde se jogou futebol pela primeira vez no nosso país, pela mão de Guilherme Pinto basto (como já aqui mencionámos em inúmeras ocasiões), mas o que é certo em entrevistas dadas nos anos 40 Harry Hinton afirmava que e «os primeiros encontros de futebol de que há memória no nosso país (…) tiveram lugar ao velho Campo da Achada da Camacha, essa espécie de baldio à inglesa, arrelvado», sendo que diversos historiadores não colocam de lado essa hipótese, sublinhando no entanto que esses jogos eram disputados sem regras, apenas entre amigos, ao passo que o macth de Cascais foi realizado já sob as regras da Football Association, e como tal terá sido o primeiro jogo realizado em solo português de forma, digamos que oficial. Harry Hinton faleceu no Funchal a 16 de abril de 1948.

Mas voltando à AFM, para dizer que após ter sido fundada esta rapidamente se coloca em ação para organizar o primeiro campeonato regional, à semelhança do que acontecia nas principais urbes portugueses.  

Foram pois oito os clubes da ilha que deram vida a esse primeiro Campeonato da Madeira, a saber o Clube Sport Marítimo, o Club Sports da Madeira, o União Futebol Clube, o Sporting Grupo do Funchal, o Grupo Desportivo Nacional, o Grupo Desportivo Insulano, o Futebol Clube Madeirense, e o Grupo Sportivo Internacional.

O triunfo coube aos maritimistas, fundados sete anos antes, por gente ligada ao mar, a 20 de setembro de 1910, e que conquistava desta forma o primeiro troféu da sua história. E para essa história ficam os nomes dos campeões regionais da Madeira de 16/17: José Rodrigues Barrinhas, José Pimenta, João da Motta, Carlos Rodrigues, Guilherme Fernandes, José de Souza, Francisco Vieira, Luiz de Gouveia, António de Castro, Cornelio da Silva e Albin Jud.

quinta-feira, junho 02, 2022

Lista de Campeões... Liga Conferência Europa / UEFA Conference League


Na temporada de 2021/22 a UEFA estreou uma terceira competição europeia de clubes, denominada de UEFA Conference League, ou em português, Liga Conferência Europa. Desde 1999 que o panorama futebolístico do Velho Continente não era preenchido por três provas, altura em que foi extinta a Taça dos Vencedores das Taças. esta UEFA Conference League é o equivalente à 3.ª divisão do futebol europeu, a seguir à Liga dos Campeões, e à Liga Europa. Na temporada de estreia da nova competição, os italianos da Roma arrecadaram o bonito troféu que podemos ver na imagem de cima, inaugurando assim a lista de campeões que reproduzimos em seguida: 

2021/22: ROMA (ITÁLIA)

Flashes do Israel 2022/Europeu de Sub-17 (31)...

Final

França - Países Baixos: 2-1

Golos: Kumbedi (2) / Slory

Lateral-direito Kumbedi foi o herói improvável do terceiro título europeu de sub1-7 de Les Blues...

segunda-feira, maio 30, 2022

Flashes do Israel 2022/Europeu de Sub-17 (30)...

Meias-finais

França - Portugal: 2-2 (6-5 nas grandes penalidades)

Golos: Emery, João Muniz (a.g.) / Afonso Nogueira, Dário Essugo

Sonho lusitano esfumou-se nas grandes penalidades... 

Flashes do Israel 2022/Europeu de Sub-17 (29)...

Meias-finais

Holanda - Servia: 2-2 (5-3 nas grandes penalidades)

Golos: Van Duiven, Slory / Milosevic, Mijatovic

Jovem Laranja Mecânica vai tentar terceiro título europeu consecutivo... 

sexta-feira, maio 27, 2022

Flashes do Israel 2022/Europeu de Sub-17 (28)...

Quartos-de-final

Espanha - Portugal: 1-2

Golos: Boñar / Afonso Moreira, José Rodrigues

Exibição categórica eclipsou a favorita Espanha do Euro... 

Flashes do Israel 2022/Europeu de Sub-17 (27)...

Quartos-de-final

Dinamarca - Sérvia: 1-2

Golos: Hojlund / Simic, Milosevic

Sérvios continuam em busca do sonho... 

quinta-feira, maio 26, 2022

Flashes do Israel 2022/Europeu de Sub-17 (26)...

Quartos-de-final

Países Baixos - Itália: 2-1

Golos: Misehouy, Van Duiven / Lipani 

Laranja foi demasiado amarga para uma Itália que falha novamente o assalto ao título de sub-17... 

Flashes do Israel 2022/Europeu de Sub-17 (25)...

Quartos-de-final

Alemanha - França: 1-1 (3-4 nas grandes penalidades)

Golos: Weiper / Saettel

Les Blues ganham a lotaria (dos penaltis)... 

terça-feira, maio 24, 2022

Flashes do Israel 2022/Europeu de Sub-17 (24)...

Grupo D / 3.ª jornada

Portugal - Dinamarca: 1-3

Golos: Ivan Lima / Nartey, Sorensen, Luís Gomes (a.g.)

Lusitanos foram surpreendidos por uma armada viking endiabrada e falham liderança do grupo... 

Flashes do Israel 2022/Europeu de Sub-17 (23)...

Grupo D / 3.ª jornada

Suécia - Escócia: 1-0

Golo: Kanga

Triunfo magro não chegou para nórdicos carimbarem o passaporte para a fase seguinte... 

Flashes do Israel 2022/Europeu de Sub-17 (22)...

Grupo C / 3.ª jornada

Espanha - Sérvia: 1-1

Golos: Mella / Milosevic

Empate ao cair do pano garante aos sérvios uma vaga nos quartos-de-final... 

Flashes do Israel 2022/Europeu de Sub-17 (21)...

Grupo C / 3.ª jornada

Bélgica - Turquia: 3-1

Golos: Muzambo, Spileers, Talbi / Uzun

Vitória com sabor a derrota para jovens Diabos Vermelhos... 

segunda-feira, maio 23, 2022

Flashes do Israel 2022/Europeu de Sub-17 (20)...

Grupo B / 3.ª jornada

Países Baixos - França: 3-1

Golos: Huijsen, Milambo, Boerhaut / Diallo

Luta pelo poleiro terminou com festa em tons de laranja... 

Flashes do Israel 2022/Europeu de Sub-17 (19)...

Grupo B / 3.ª jornada

Polónia - Bulgária: 1-1

Golos: Slawinski / Traykov

Búlgaros e polacos empatam na despedida do Euro israelita... 

Flashes do Israel 2022/Europeu de Sub-17 (18)...

Grupo A / 3.ª jornada

Itália - Luxemburgo: 1-0

Golo: Di Maggio

Squadra Azzurra sofreu para vencer frágil e estreante Luxemburgo para garantir os quartos-de-final... 

Flashes do Israel 2022/Europeu de Sub-17 (17)...

Grupo A / 3.ª jornada

Alemanha - Israel: 3-0

Golos: Raebiger (2), Weiper

Chapa 3 alemã colocou Israel fora do seu Euro... 

Flashes do Israel 2022/Europeu de Sub-17 (16)...

Grupo D / 2.ª jornada

Portugal - Suécia: 4-2

Golos: João Veloso (2), Rodrigo Ribeiro, Afonso Vieira / Kanga, De Oliveira

Portugal ainda apanhou um susto inicial, mas depois rumou à goleada... 

Flashes do Israel 2022/Europeu de Sub-17 (15)...

Grupo D / 2.ª jornada

Dinamarca - Escócia: 3-1

Golos: Simmelhack, Jensen, Mackenzie (a.g.) / Wilson

Vikings alcançam primeira vitória no dia do adeus dos highlanders ao Euro... 

Flashes do Israel 2022/Europeu de Sub-17 (14)...

Grupo C / 2.ª jornada

Espanha - Bélgica: 2-0

Golos: Boñar, Bravo

Espanha vence e abre a porta dos quartos (de final)... 

Flashes do Israel 2022/Europeu de Sub-17 (13)...

Grupo C / 2.ª jornada

Sérvia - Turquia: 2-1

Golos: Sljivic, Milosevic / Uzun

Turcos dizem adeus ao Euro enquanto sérvios ainda sonham com a fase seguinte... 

sexta-feira, maio 20, 2022

Flashes do Israel 2022/Europeu de Sub-17 (12)...

Grupo B / 2.ª jornada

Países Baixos - Polónia: 2-1

Golos: Huijsen, Boerhout / Guercio

Laranja Mecânica junta-se à França nos festejos pela passagem aos quartos-de-final... 

Flashes do Israel 2022/Europeu de Sub-17 (11)...

Grupo B / 2.ª jornada

França - Bulgária: 4-0

Golos: Tel (2), Aiki, Zaire Emery

Franceses voltam a demonstrar veia goleadora e já estão nos quartos-de-final...