sexta-feira, abril 05, 2019

Hoje entramos em campo com o 13 nas costas!


Para muitos o 13 pode significar azar! Mas para nós é sinónimo de sorte e... alegria. Sorte, porque é um privilégio estarmos há 13 anos consecutivos de portas abertas a fazer aquilo que mais gostamos: escrever sobre a História do futebol. 
E alegria porque é sempre bom festejar mais um aniversário (neste caso o 13.º) e acima de tudo continuarmos empolgados em esmiuçar mais e novas estórias do Planeta da Bola. E tal como Eusébio brilhou com o dorsal 13 no Mundial de 1966, também nós queremos continuar a pisar os relvados virtuais do Belo Jogo do alto dos nossos 13 anos de vida!

sábado, março 16, 2019

Histórias do Futebol em Portugal (27)... A geração de ouro do futebol português nasceu há 30 anos (4.ª parte)


3 de março de 1989 está para o futebol português como o 25 de Abril de 1974 está para a nação lusitana. Aquele inolvidável 3 de março de 89 foi o dia em que foi consolidada a revolução futebolística nacional. A partir daquele dia nada mais foi como dantes, um novo e maravilhoso Mundo abriu-se aos portugueses no que ao futebol concerne.
E se Abril de 74 trouxe liberdade (em vários sentidos), direitos, democracia - entre outras conquistas -, março de 89 abriu as portas do prestígio, do sucesso e porque não dizê-lo de alguma supremacia do futebol português a nível internacional. Depois daquela inesquecível sexta-feira de março de 1989, lá longe, no meio do deserto saudita, o futebol luso nunca mais foi o que era.
A "revolução de Riade" mudou para sempre a face do nosso futebol... para melhor. Muito melhor. Portugal é hoje uma potência planetária do Desporto Rei, e muito deve esse estatuto aos heróis que há 30 anos fizeram do nosso país pela primeira vez CAMPEÃO DO MUNDO.
Neste 4.º e último capítulo da evocação do 30.º aniversário do nascimento da Geração de Ouro do futebol português vamos recordar o final feliz desta epopeia das arábias, isto é, o jogo da consagração, o jogo do então inédito título mundial.

Futebol total de Portugal ofuscou uma Nigéria que se limitou a "partir pedra"

Pelé cumprimenta os futuros campeões do Mundo
Convidados de luxo ligados ao Planeta da Bola marcaram presença no King Fahd Stadium para ver uma final que à partida poucos, ou mesmo ninguém, acreditaria ser possível. Especialmente se lhes dissessem que um dos finalistas seria Portugal! Mas o que é certo é que a equipa liderada por Carlos Queiroz ali estava, perfilada lado a lado com os elefantes nigerianos antes do início de uma espécie de segundo round entre os dois selecionados neste Campeonato do Mundo. Presente estava igualmente aquele a quem chamavam - e chamam - o Rei do Futebol: Pelé.
Antes da cerimónia dos hinos nacionais, o astro brasileiro pisou o palco da grande final para cumprimentar uma a uma as futuras estrelas do Belo Jogo que dali a nada iriam lutar entre si para ver qual delas iria subir a tribuna deste majestoso estádio para receber das mãos de outro rei, o rei Fahd, o troféu de campeão do Mundo.

Para os africanos, mais do que confirmar o estatuto de (um dos) favoritos à conquista da coroa planetária com que partiram para esta competição, esta era a última hipótese de vingar uma amarga e convincente derrota com os portugueses na fase de grupos do torneio.
Na verdade, a par do jogo das meias-finais com o Brasil, o encontro com a Nigéria havia sido o momento alto até aqui protagonizado pelos lusos neste Mundial de sub-20. Mas já diz o ditado: não há duas sem três, e para o jogo decisivo Portugal tinha reservado uma exibição de gala que voltou a vulgarizar o futebol força e algo cinzento dos nigerianos.
Foi mais um grande espetáculo futebolístico com o selo de qualidade da primeira formada da Geração de Ouro do futebol luso, que trouxe ao relvado do Estádio King Fahd lampejos do Futebol Total, conforme eternizou nas páginas de A Bola o enviado especial do jornal da Travessa da Queimada no rescaldo da épica vitória lusa por 2-0. «Foi uma espécie de futebol total aquele que a seleção portuguesa desenvolveu ao longo da final do Campeonato do Mundo. E quando dizemos que foi "uma espécie de" não estamos, sobretudo, a esquecer a enorme quantidade de golos desperdiçados na área nigeriana na sequência de jogadas maravilhosas, desenvolvidas de trás para a frente, com o balanceamento próprio de contra-ataque, pela equipa portuguesa.
Ontem, e perdoe-se-nos nesta hora de euforia, o rigor da análise, Portugal ter-se-ia sagrado campeão do futebol total se tivesse expressado no marcador, ainda com maior realce, as inúmeras oportunidades que desfrutou para concretizar. Situações de "baliza aberta", depois do desenvolvimento de jogadas realmente maravilhosas, plenas de encanto e magia, foram muitas. Mas apesar de tanto desperdício, nem por isso Portugal deixou de produzir uma das mais belas e convincentes exibições que alguma vez vimos realizar a uma equipa lusa, deixando convencidos aqueles que ao vivo ou pela televisão acompanharam a partida».

Capitão Tozé com taça na mão
Este convincente e deslumbrante triunfo fez acima de tudo termos a certeza de que o futebol português tinha o futuro garantido, ou por outras palavras, as de Rui Santos «esta final fez notar que o futebol português pode ser um futebol seguro, consistente e coeso, e ao mesmo tempo imaginativo e ambicioso».
Numa apreciação ao jogo português na final de Riade, o jornalista escrevia ainda que «a magia do futebol curto e enleante dos portugueses (...) ofuscou, totalmente, uma equipa africana que sendo forte limitou-se a "partir pedra" todo o tempo e a ver... bailar».
Olhando para a obra de arte concebida pela dupla Queiroz-Vingada para este derradeiro capítulo no Mundial do Golfo Pérsico, A Bola escreveu que Portugal apresentou uma «uma defesa de ferro, um meio campo de briga, e simultaneamente de construção, e um ataque de grande talento que transmitiram à seleção portuguesa uma dimensão extraordinária, levando-a a produzir um futebol verdadeiramente espetacular».
No plano individual Abel Silva, Felipe, Amaral e Jorge Couto foram decisivos numa equipa que produziu o tal futebol espetacular... e total.
E fazendo jus ao chavão com que a seleção nacional partiu para a Arábia Saudita para disputar este Campeonato do Mundo, isto é, "contra tudo e contra todos", também na final a barreira a ultrapassar foi muito além do combinado nigeriano, já que inexplicavelmente o público saudita foi de uma falta de solidariedade gritante para com os lusos. Tirando o jogo inaugural com a Checoslováquia, o apoio e simpatia saudita para com Portugal desapareceu nos jogos seguintes (!) e na final transformaram-se mesmo no 12.º jogador da Nigéria, mas que nada lhes valeu!

Abel incrédulo com o seu golo... à Pelé
Espetaculares continuavam a ser os golos de Portugal neste Mundial. E no jogo decisivo mais duas obras de arte foram erguidas por Abel Silva e Jorge Couto. O primeiro acontece já em cima do intervalo (44m) e resulta numa incursão pela direita de João Pinto, que já no interior da área vê um defesa contrário cortar de forma atabalhoada a bola para a zona da meia lua, onde estava Jorge Couto, que com o peito deixa o esférico para Abel Silva encher o pé e marcar um golo de raça que fez explodir de alegria a nação lusitana.
Um golo... à Pelé, tal como Abel Silva havia prometido ao Rei do Futebol antes do pontapé de saída. «Antes da final, quando Pelé nos veio cumprimentar, eu disse-lhe que ia marcar um golo... à Pelé. Nem sei se ele me ouviu mas sei que viu o meu golo, que foi mesmo um golo à... Pelé, sem dúvida maravilhoso», confessaria o defesa direito da seleção após o apito final.
O segundo tento não lhe ficou atrás em termos de beleza e acima de tudo sentenciou (aos 77m) a final a favor dos lusos. «Bizarro chutou uma bola longa para o meio campo adversário. João Pinto, com um defesa à ilharga, endossa subtilmente a bola para Jorge Couto. Com a bola colada ao pé, este jogador inflete da esquerda para a direita, e à medida que avança deixa o opositor sentado. Ainda antes do quarto de lua da grande área, chuta, pleno de instinto, com o peito do pé e em cheio na bola. O guarda-redes ainda se lança como se fosse possível evitar um destino que estava traçado: Portugal venceria o Campeonato do Mundo sub-20», recorda o site da Federação Portuguesa de Futebol (FPF) no decorrer das comemorações do 30.º aniversário do nascimento da Geração de Ouro.

Nessa histórica sexta-feira, dia 3 de março de 1989, Portugal alinhou com: (12) Bizarro, (2) Abel Silva, (10) Paulo Madeira, (15) Valido e (5) Morgado; (7) Tozé, (8) Hélio e (11) Filipe; (14) João Vieira Pinto ( (17) Folha, aos 89m), (6) Jorge Couto e (18) Amaral ( (3) Paulo Alves, aos 88m).
Ao apito final do árbitro alemão Aron Schmidhuber, a festa irrompeu no relvado: Portugal era campeão do Mundo. Cenário impensável para muitos, até para o próprio presidente da FPF, Silva Resende, que nem a Riade se deslocou para assistir a este momento histórico. Como não assistiu à subida triunfal do capitão Tozé, acompanhado por Carlos Queiroz, à tribuna real do Estádio King Fahd para receber do rei da Arábia a coroa (perdão, o troféu) de... reis do Planeta da Bola.

Vitória que abriu a porta do futuro ao futebol português

Capa de A Bola...que diz tudo!
Num misto de euforia e crítica, o jornalista Rui Santos enviava alguns recados aos Velhos do Restelo (nada a ver com o Belenenses, atenção) do futebol português. Para o jornalista esta vitória «abriu a porta ao futebol português do futuro», uma vitória que no seu entender era de todos, mas «agora é preciso revelar a humildade suficiente para fazer deste título de campeão do Mundo uma vitória de todos os agentes desportivos», já que era altura de «o futebol português necessita de mudar. Não pode continuar mais na mão de certos oportunistas que tiram proveito da nossa consentida descaracterização.
Este Mundial foi a prova cabal e inequívoca de que o futebol português existe. Tem identidade. Tem expressão. Tem qualidade. (...) São os dirigentes dos clubes, principalmente, que devem tirar, em primeiro lugar, as ilações corretas deste belo acontecimento para o futebol. São eles que devem refletir sobre os modelos até agora adotados (...)».
Mas também os treinadores que por cá andavam não se esquivaram à sua mira, pois «em vez de fazerem saltar para a ribalta nomes que nunca disseram nada a ninguém no mundo do futebol, não tenham medo de lançar jovens talentos nacionais para o espaço da competição mais exigente. E tenham paciência, porque os resultados de todos os trabalhos metódicos e "racionais" acabam, inevitavelmente, por aparecer».
E o futuro assim ditou, ainda que hoje alguns tiques do passado cinzento continuem presentes "aqui e acolá" no nosso futebol.   

No avião durante o regresso a casa
Ainda em Riade a comitiva lusa praticamente não se apercebeu do feito que tinha acabado de conquistar. Trinta anos depois, o (eterno) capitão Tozé recordava aos microfones da Rádio Renascença que «no início não tínhamos bem a noção do que havíamos conseguido. Sabíamos que era algo inédito, um feito, mas não havia a perfeita dimensão. Quando chegámos a Lisboa, essa sensação foi logo diferente, e com o passar dos anos percebemos o quão foi importante para o futebol português este título mundial».
Sim, a noção do feito alcançado por aquele punhado de jovens talentos moldados pelo mestre Queiroz só ganhou contornos maiores na chegada a Lisboa, no dia 5 de março, depois de uma escala em Amesterdão.
Ainda no aeroporto os campeões do Mundo foram recebidos em delírio por um mar de gente. Tal como em Abril de 74, o povo saiu em massa à rua para saudar e dar vivas aos homens que libertaram o futebol português da opressão cinzenta a que estava veiculado.

Com a taça na mão, Tozé foi o primeiro a pisar solo luso. Seguiram-se condecorações atrás de condecorações. O Ministro da Educação (Roberto Carneiro), o primeiro-ministro (Cavaco Silva), o Presidente da República (Mário Soares), entre outras figuras estatais curvaram-se perante estes jovens conquistadores, tal como séculos antes reis e outros governantes da nação lusitana se curvaram perante os bravos e talentosos marinheiros que ao serviço da coroa portuguesa conquistaram novos Mundos... ao Mundo.
Depois de Riade, Portugal afirmou-se no futebol mundial com a conquista de títulos (o mais pomposo terá sido o do Euro 2016) e produzindo largas dezenas de astros futebolísticos que brilharam, ou brilham, com intensidade nas maiores equipas e campeonatos (nacionais) do planeta.

Tozé levanta o "caneco" na chegada a Lisboa
É justo, pois, também nós fazermos uma vénia aos heróis de Riade, à primeira fornada da Geração de Ouro, que deu o primeiro passo rumo a um futuro esplendoroso. Tal como em tudo na vida, muitos destes 18 heróis não conseguiram vingar no futebol sénior. Outros, como Fernando Couto, João Pinto, ou Paulo Sousa atingiram o Olimpo dos Deuses no futebol planetário, quer ao serviço da seleção principal lusa quer envergando o manto sagrado de clubes como a Juventus, Lázio, Inter de Milão, Barcelona, Benfica, ou Sporting. Mais do que tudo abriram caminho para que outras gerações chegassem nas décadas seguintes igualmente a esse Olimpo.
Olhando para os 18 campeões do Mundo em Riade constatamos que metade atingiu a seleção principal portuguesa, casos de Fernando Couto (110 internacionalizações) e João Pinto (81), Paulo Sousa (51), António Folha (26), Paulo Madeira (24), Paulo Alves (13), Jorge Couto (6), Filipe (3) e Hélio (1).
Alguns destes nomes foram peças fundamentais para devolver Portugal à alta roda do futebol internacional, no que a seleções seniores diz respeito, como por exemplo as qualificações para os Europeus de 96 e 2000 e para o Campeonato do Mundo de 2002. Outros, como Brassard, Tozé, Abel Silva, Paulo Alves, Amaral, Valido, ou Morgado ainda atuaram várias épocas na 1.ª Divisão portuguesa, na maior parte desse período ao serviço de emblemas de menor dimensão, não atingindo, porém, a fama planetária de Fernando Couto, João Pinto, ou Paulo Sousa.

Mário Soares recebe os campeões do Mundo
Também o timoneiro desta equipa, o pai da Geração de Ouro, Carlos Queiroz, tem tido uma carreira de altos e baixos (mais altos do que baixos, é certo) no patamar sénior, não conseguindo, por exemplo, transportar para a seleção sénior (a qual já orientou em dois períodos distintos da História) a chave do sucesso que iniciou em Riade e prolongou até Lisboa dois anos depois, quando conquistou em casa o bi-campeonato do Mundo de sub-20.
Outros ainda, como Xavier ou Resende não confirmaram no escalão sénior - por esta ou por outra razão - todo o seu potencial exibido no percurso do futebol de formação que teve o seu apogeu em Riade.
Muitos continuam hoje, volvidos 30 anos, ligados ao futebol. Uns como treinadores (Hélio, Folha, Brassard, Morgado, Valido, Paulo Sousa, Jorge Couto, Paulo Alves, ou Filipe), outros como dirigentes federativos (João Pinto), outros como agentes de jogadores (Fernando Couto e Paulo Madeira), e outros com atividades que nada têm a ver com o Desporto Rei (Amaral, Xavier e Resende).
No entanto, todos eles ganharam por direito próprio o estatuto de imortais do futebol português. 

Vídeo
Portugal -Nigéria

sexta-feira, março 08, 2019

Histórias do Planeta da Bola (23)... Nita Carmona: o exemplo de coragem e paixão que ousou derrubar a barreira do preconceito e do machismo

Nita Carmona

Tal como em tantos outros setores da sociedade global o futebol ainda é visto no presente como um Mundo exclusivamente masculina! Por incrível que aparece assim é.  
Esta constatação vem a propósito do Dia Mundial da Mulher, que hoje se comemora em todo o planeta. E leva-nos numa viagem ao passado de quase um século de distância para recordar a história de uma mulher que teve a coragem de entrar num Mundo que lhe era proibido para dar azo à sua paixão: jogar futebol.
Nita Carmona, o nome da heroína que para derrubar a barreira da masculinidade no futebol teve de... se disfarçar de homem!
Nascida em Málaga (Espanha) a 16 de maio de 1908, Anita Carmona Ruiz desde criança, nas calles do Bairro de Capuchinos, onde vivia, contornou as rígidas regras sociais, digamos assim, da época para viver a sua grande paixão: jugar la pelota.
Filha mais nova de um estivador do Porto de Málaga, Nita apaixonou-se pelo Belo Jogo precisamente ali, onde marinheiros ingleses praticavam o football nos tempos livres. Desde criança que lutou contra o preconceito de ser mulher num Mundo a quem só era permitida a entrada a homens. Luta que começava no seu próprio lar, com os castigos impostos pelos seus pais, que ao ver a sua menina mais nova chegar a casa com os joelhos esfolados e arranhões por todo o corpo após longos e duros (por certo) duelos futebolísticos travados com os chicos de Málaga, decretavam de pronto a prisão domiciliária com o intuito de a impedir de voltar a correr atrás da sua paixão: a bola.

Nita, ao meio, disfarçada de Veleta!
O preconceito familiar chegou a determinada altura a ser estendido ao tio de Nita, médico de profissão, que alegava que a força física, o suor e a competitividade que eram características da prática do futebol estavam restritas aos homens, e que tal esforço iria ser prejudicial ao desenvolvimento corporal da sua sobrinha. Nesse sentido, pediu aos pais de Nita para a enviarem temporariamente para a localidade isolada de Vélez-Málaga para a afastar da tentação de jogar futebol.
Porém, nem todos pactuavam com o preconceito de apoiar e acima de tudo incentivar uma mulher a brilhar num Mundo de homens. Em 1921, chega ao Bairro de Capuchinos um padre... liberal. O padre Miguez. Oriundo de Ourense (Galiza) também ele se havia deixado enfeitiçar pela bola, e no âmbito da igreja fundou o Sporting de Málaga, que acabaria por ser uma das sementes para a criação anos mais tarde do atual Málaga Club de Fútbol.
Nita entrou para um clube cuja missão passava acima de tudo por angariar fundos para adquirir roupas e comida para os menino(a)s mais desfavorecidos do bairro, como colaboradora do massagista da equipa de futebol.
Terá sido esta a forma de o padre Miguez ajudar Nita a contornar a proibição dos seus progenitores em dar azo à sua paixão de menina. Paixão essa que ganhava vida nos jogos que o Sporting de Málaga realizava fora de portas, nos quais tinha um reforço de peso: Nita Carmona. Isto acontecia porque nos jogos caseiros corria o risco de ser reconhecida pela vizinhança!
Corpulenta, de feições rudes, cabelo curto, a jovem durante algum tempo conseguiu esconder em campo os seus traços femininos, usando calças cumpridas, camisas largas e cabelo curto. Após ter sido descoberta por uma qualquer equipa adversária, Nita foi mesmo enviada de castigo para Vélez-Málaga, para casa de familiares. Ali, continuou a lutar pela sua paixão, tendo então feito amizade com a irmã do capitão da equipa do Vélez, Juan Barranquero, o qual viria a convencer a deixá-la atuar pelo combinado local sob o nome (masculino) de... Veleta, para que não fosse descoberta nem por adversários nem pelos próprios colegas de equipa.

E sob este disfarce, Nita jogou vezes sem conta ao serviço do Vélez. Foi assim até meados da década de 30, quando teve início a Guerra Civil espanhola, altura em que Nita Carmona não conseguiu mais ludibriar a barreira do preconceito, acabando por ser descoberta e detida pelas autoridades em várias ocasiões, sendo que a sua condenação nunca foi mais longe sempre devido à influência (Divina) do padre Miguez.
Nita Carmona morreu jovem, com apenas 32 anos, mas para a História mais do que ter sido a primeira mulher-futebolista em Espanha foi um exemplo de coragem e paixão ousou derrubar a barreira do preconceito e do machismo numa sociedade tão desigual (entre homens e mulheres).

domingo, março 03, 2019

Histórias do Futebol em Portugal (26)... A geração de ouro do futebol português nasceu há 30 anos (3.ª parte)


No deserto, Queiroz
apontava à final

Metade do (impensável) caminho estava feito e na antecâmara do primeiro jogo da fase do mata mata, ante a Colômbia, a comitiva portuguesa foi descontrair até ao deserto de Thumamah. Apesar de esta ter sido uma excursão de descompressão, no sentido de afastar dos jogadores lusos o natural nervosismo e pressão que é habitual existir antes de um jogo a eliminar, Carlos Queiroz não esquecia os obstáculos que surgiram no caminho desta seleção ainda em solo nacional. E o alvo foi… a Federação Portuguesa de Futebol (FPF). Quem mais!
«O que sinto é que Portugal se qualificou para o Campeonato do Mundo e a atitude envolvente que rodeou a FPF foi: é giro, é porreiro, vamos lá ver se conseguimos fazer uma gracinha. Não houve um empenhamento de todas as estruturas ao nível do Desporto, e assim fazem-me sentir que só os campeonatos do Mundo de seniores é que são grandiosos e para gente séria», desabafou Queiroz num tom crítico para com a federação, numa clara alusão à insuficiente preparação que esta seleção havia tido antes da partida para o Golfo Pérsico. Perante este cenário o selecionador não tinha dúvidas: «Somos a equipa que pior se preparou para esta prova».
Facto que estaria longe de ser o entrave para que os portugueses alcançassem um feito inédito na história do futebol nacional, conforme iria acontecer no histórico dia 3 de março de 1989.

Entre as quatro melhores equipas do Mundo

A final antecipada e sonhada
titulada na imprensa
Degrau a degrau a seleção lusa ia caminhando rumo ao sonho que muitos ainda achavam uma utopia, mesmo depois de passar mais um obstáculo no relvado do Estádio King Fahd. Desta feita foi a Colômbia a cair aos pés dos jovens craques portugueses, em jogo dos quartos-de-final.
Mais uma vitória fruto de uma exibição onde o coletivo fez a diferença. Isto é, longe de ter sido um belo jogo de futebol, este encontro demonstrou uma vez mais que o grande jogador dos lusos era… a equipa.
Pela frente, Portugal teve uma equipa da sua igualha sob o ponto de vista tático e estratégico, de certa forma compatível com o seu modelo de jogo. Uma equipa colombiana que atuava extremamente adiantada no terreno, usando um sistema tático de 4-3-1-2.
Na crónica do jogo, Rui Santos escrevia que a seleção cafetera «baseou a sua ação no pressing sobre o adversário logo nos primeiros metros do terreno (…) Os colombianos através das suas unidades mais avançadas pressionavam os defesas portugueses no intuito de lhes roubar a bola e também com a finalidade de não os deixar organizar o jogo de equipa.
Uma nova fórmula que ainda não tinha sido vista em Riade, ensaiada de uma forma clara e assumida, mas que envolve os seus riscos. Trata-se com efeito de uma opção arriscada, porque o futebol que lhe está subjacente é muito exigente, sob o ponto de vista físico».
E esse risco acabou por afetar os sul-americanos e consequentemente beneficiar Portugal. Pela frente os pupilos de Queiroz encontraram uma seleção desgastada fisicamente, dado o carrossel ofensivo colombiano exibido durante toda a 1.ª fase e que havia conferido aos cafeteros o 2.º lugar do Grupo B, atrás da potência União Soviética e à frente da Síria e da Costa Rica.

Ante a nossa seleção, a Colômbia «nunca pareceu de princípio uma equipa suficientemente rápida e agressiva para colocar grandes problemas».
Por sua vez, Portugal manteve-se «fiel aos seus princípios, continuou a fazer como a amêijoa: abriu a casca… mas devagar», escrevia o enviado especial de A Bola para justificar mais uma exibição q.b. dos lusos.
Se por um lado os portugueses tardavam a produzir uma exibição de encher o olho como a que foi alcançada na primeira fase diante da Nigéria, por outro lado continuavam a estar talhados para grandes…golos.
Ante a Colômbia o golo solitário da vitória também é daqueles que ficará para a eternidade emoldurado num museu! O seu autor: Jorge Couto. A obra de arte «nasce de uma abertura de Hélio para o lado direito, para onde se tinha deslocado após uma excelente desmarcação João Pinto. O boavisteiro arrancou um centro primoroso, ao qual Jorge Couto, com o pé direito sem deixar a bola tocar o solo, deu o melhor caminho. Mais um golão», assim descreveu Rui Santos.
No rescaldo do jogo, Carlos Queiroz disse estar muito feliz não só pela passagem às meias-finais, mas também porque Portugal havia vencido uma equipa organizada e que possuía jogadores habilidosos.

As caricaturas dos futuros campeões
O senhor que se seguia era o Brasil, o todo poderoso escrete canarinho, grande favorito a vencer o Mundial, ainda para mais depois da eliminação da também candidata União Soviética aos pés da Nigéria… num jogo de loucos. Os soviéticos estiveram a vencer por 4-0, mas deixaram-se… empatar! No desempate por grandes penalidades os africanos afastaram os campeões da Europa de sub-19 e para muitos o principal obstáculo do Brasil na corrida pelo título.
Sobre o Brasil Queiroz não entrou no discurso do coitadinho, de Portugal ser uma espécie de parente pobre do futebol canarinho que a partir daquele momento apenas estava ali para estender a passadeira vermelha aos sul-americanos para a final. Pelo contrário, mostrou ambição de ir mais além. «Vamos analisar com cuidado a equipa do Brasil, mas neste momento temos de pensar sobretudo em nós. Estamos na fase final. E nela vamos continuar a apostar naquilo que somos e que queremos ser. Contra o Brasil temos de nos limitar a ser… europeus. Sem querer ser arrogante ou petulante, não estamos preocupados com o Brasil. Temos vindo a aparecer de jogo para jogo e assim esperamos chegar à…final!».
Opinião semelhante tinha o selecionador da Colômbia, Juan José Palaez, que depois de felicitar a nossa seleção pela vitória e pela forma como jogou, admitiu que a sua equipa passou completamente ao lado deste Mundial. Sobre as possibilidades de Portugal no que restava de competição, não podia ter sido mais acertivo: «Não será surpresa se chegarem à final»
Ante a Colômbia Portugal alinhou com: (12) Bizarro; (2) Abel Silva, (15) Valido, (16) Fernando Couto e (5) Morgado; (7) Tozé (c), (8) Hélio e (11) Filipe; (18) Amaral ( (10) Paulo Madeira, aos 82m), (6) Jorge Couto ( (17) Folha, aos 62m) e (14) João Pinto.

Que venha o Brasil!

Festa na piscina antes de encarar o Brasil
Assim que ficou definido que Portugal e Brasil se iriam defrontar nas meias finais da prova, do lado brasileiro foi exibido um misto de respeito… e desconhecimento pela seleção portuguesa, a julgar pelas palavras do selecionador canarinho René Simões, que dois anos antes tivera uma fugaz passagem pelo comando técnico do Vitória de Guimarães.
«Sei que toda a gente está à espera que sejamos campeões do Mundo, mas… vamos devagar. A equipa portuguesa é muito boa. Forte na marcação e toda ela trabalha da melhor maneira para servir o ponta de lança. Como se chama ele?», Pois é, era João Pinto, que dias depois haveria de se apresentar pessoalmente aos pupilos do distraído – ou demasiado confiante – René Simões.
Mas não era só o selecionador brasileiro - e quiçá o resto do Mundo que estava de olhos neste torneio - que estaria na ideia de que a aventura portuguesa já tinha ido bem mais longe do que inicialmente se estaria à espera. Sobretudo, e sem querer ser repetitivo, pela preparação que antecedeu a presença lusa na Arábia Saudita, conforme recordava o jornalista de A Bola Rui Santos na antecâmera do duelo com o Brasil. «Está cumprida a missão de Portugal, que veio para este campeonato em condições particularmente adversas (contra tudo e contra todos) e já está entre as quatro melhores do Mundo, o que neste escalão representa um facto inédito para o futebol nacional. Portugal já fez pois jus a um lugar de honra neste Mundial, e é a única equipa europeia em prova depois da eliminação surpreendente da União Soviética (…) é verdade que a equipa portuguesa, à exceção do jogo com a Nigéria, ao longo do qual deu provas de equilíbrio, bom senso e muita inteligência, perante um adversário francamente de outro escalão etário, perdão de “outra galáxia, ainda não produziu uma exibição eloquente, daquelas de deixar um indivíduo completamente satisfeito. Cremos que a falta de “estética” desta equipa portuguesa tem muito a ver com aquela preparação em Portugal, absolutamente ridícula (…) Portanto, virtualmente Portugal já fez um grande milagre que é estar em competição entre as quatro melhores equipas do Mundo deste escalão. Por um lado, esse milagre traduz o rigor, a bondade dos métodos utilizados por esta equipa de trabalho (principalmente, sob o ponto de vista técnico) e por outro lado a extraordinária apetência para o futebol dos nossos jogadores (…). Temos dito e repetido que uma das coisas que melhor traduzem o “espírito” desta equipa portuguesa é a sua consciência coletiva. Frente à Colômbia – uma Colômbia sempre difícil, mas surpreendentemente envergonhada – esse espírito veio ao de cima, e isso tem a ver com a carga e a natureza do trabalho que se tem vindo a desenvolver nos últimos três, quatro anos. A base do trabalho está lá, bem viva, perfeitamente percetível ao longo de cada jogo (através das opções técnico-estratégicas e através da plantação da equipa em campo) (…)», assim analisava o enviado especial do jornal da Travessa da Queimada.

Desde que haviam chegado à Arábia Saudita os brasileiros foram endeusados. Catalogados como os reis do futebol, os sul-americanos eram tratados…como tal. A prova disso é que durante a estadia em Jeddah, onde estava instalado o quartel general do escrete, os brasileiros eram constantemente brindados com presentes pelos cidadãos locais: relógios, tapetes, fios de ouro, etc.
De tal maneira que meio a brincar meio a sério, René Simões disse que ele e os seus pupilos tiveram de comprar malas novas para levar todas as ofertas para casa! Na verdade, os próprios brasileiros achavam-se mesmo… os reis do futebol e deste Mundial.
A maneira altiva e até arrogante como se exibiam nos corredores do hotel onde estava instalada igualmente a comitiva portuguesa nas vésperas do duelo entre países irmãos assim o fazia crer. De facto, tinham uma seleção recheada de craques, muitos deles já apontados a grandes clubes europeus. Nomes como Leonardo (mais tarde campeão do Mundo pelo escrete nos Estados Unidos da América em 1994), Bismark (na altura já um dos grandes craques do Vasco da Gama), Marcelinho Carioca, Sonny Anderson (brilharia na Europa ao serviço do Lyon), ou Roberto Assis (irmão mais velho de Ronaldinho Gaúcho) eram nomes que faziam acreditar que o título estava mais do que entregue ao Brasil. Na verdade, formavam uma equipa poderosa. Poucos acreditariam no triunfo de Portugal. Mesmo os jornais sauditas exultavam nas suas páginas principais com… o triunfo dos brasileiros.

Mas, por vezes festejar antes do tempo traz sérias consequências. Além de que, ninguém é invencível, muito menos o gigante Brasil.
Talvez cientes disso os portugueses encararam esta final antecipada e desejada – para muitos jogadores esta era mesmo a final sonhada – com… descontração. Na véspera do encontro os lusos foram para a zona da piscina cantar! Nas varandas do hotel a assistir de camarote à alegria portuguesa estavam os brasileiros, que exibindo a sua superioridade acharam estranho tamanha descontração. Talvez a meia-final tenha começado a ser ganha nesse momento.
«Antes da partida começar pressentia-se com efeito que tinha chegado o grande dia de Portugal. Notava-se claramente no grupo uma grande força interior, que lhe era transmitida não só por se tratar de um jogo das meias-finais do Campeonato do Mundo, em que o adversário se chamava Brasil, mas também porque o futebol português é mesmo assim – precisa de motivos realmente muito fortes para se galvanizar», escreveu o enviado especial de A Bola.
No dia 28 de fevereiro as duas seleções subiram ao relvado do King Fahd Stadium para disputar um encontro que haveria de ficar na História do futebol português. Se até então os pupilos de Queiroz só tinham convencido ante a Nigéria, perante o Brasil fizerem quiçá o melhor jogo do torneio. Era caso para dizer que a seleção estava talhada para brilhar diante dos favoritos à vitória no Mundial. Na sequência de uma épica vitória por 1-0 A Bola titulava “Desculpem lá irmãos, mas existe um futebol português!». Rui Santos escrevia que «cuidando, em primeiro lugar, da defesa e soltando os diabos no ataque, Portugal encontrou o caminho da “imaginação musculada” e quando assim é tenham paciência, porque não há nada a fazer».
O poderoso Brasil havia sido vergado à brilhante estratégia lusa.

Fase do Portugal - Brasil
No rescaldo da inolvidável vitória que abriu as portas da final, A Bola escrevia que «finalmente frente ao Brasil aquela exibição de que todos afinal estávamos à espera. Para isso, bastou que se conjugassem vários fatores, dos quais destacamos as subidas de rendimento de alguns jogadores mais criativos: Filipe, Amaral e Jorge Couto (…) Portugal começou de novo a construir a sua vitória pelo setor defensivo, preocupando-se antes de tudo o mais em não sofrer golos para depois, no desdobramento ofensivo, desenvolvido, quase sempre, em qualidade poder concretizar. (…) O êxito do futebol de contra-ataque da turma portuguesa deveu-se em grande parte à exploração dos flancos (…) Portugal realizou com efeito uma bela exibição, sob todos os capítulos. Começou logo bem, a controlar o jogo e o adversário. Os 20 minutos iniciais foram integralmente portugueses e o Brasil, sem construir sério perigo, só começou a estrebuchar lentamente a partir dessa altura, impondo-se então quando era preciso a carta que talvez pudesse faltar a este baralho: o guarda-redes Bizarro. O maior perigo dos brasileiros resultava da tentativa de penetração (pelo meio) através de tabelinhas no desenvolvimento das quais os brasileiros são de facto especialistas. Contudo, a equipa portuguesa cobria muito bem a sua baliza e os sul-americanos não podiam fazer mais nada, senão ir adiando a sua “desesperada ressurreição”. No fundo, os portugueses não deixaram que o Brasil jogasse (…)».
Ante o Brasil, a seleção nacional atuou com: (12) Bizarro; (2) Abel Silva, (15) Valido, (16) Fernando Couto e (5) Morgado; (7) Tozé (c), (8) Hélio e (11) Filipe; Amaral ( (9) Xavier, aos 79), (6) Jorge Couto ( (10) Paulo Madeira, aos 75m) e (14) João Pinto.

Goooolo de Amaral... goooolo de Portugal
O golo do épico triunfo foi da autoria de Amaral, que começou e concluiu a jogada. Depois de um centro de Jorge Couto e corte de cabeça de um defesa brasileiro (pressionado por João Pinto), Amaral não deu a mínima possibilidade de defesa ao guarda-redes contrário através de um remate pronto e certeiro.
No final do jogo a emoção tomou conta da comitiva lusa. Uns ficaram no relvado a contemplar a impensável vitória sobre os (auto) proclamados reis do futebol, outros saíram para o balneário onde choraram de alegria.
Ao hotel onde os lusos estavam instalados choveram telegramas de felicitações. Muitos deles de gente importante, como o do então primeiro-ministro, Cavaco Silva, que disse «acompanharei a final do Mundial com uma grande confiança na capacidade e brio de todos os jogadores».
Por sua vez, o Ministro da Educação, Roberto Carneiro, foi mais efusivo: «Excelente! Hip, Hip, Hurra! Vocês são mesmo bons, parabéns».
Outros, desejavam que os craques regressassem depressa a casa, como os dirigentes do Leixões, que pediam a Tozé que regressasse logo, pois «precisamos de ti».

A derrota do Brasil aos pés de Portugal teve de pronto consequências na seleção sul-americana, já que a Confederação Brasileira de Futebol (CBF) não perdeu tempo a despedir René Simões. Para o dirigente federativo, Eurico Miranda, «ele (o selecionador) foi o culpado da derrota contra Portugal. Tudo se ficou a dever à tática utilizada por ele, que impossibilitou os brasileiros de desenvolverem o seu toque de bola diante da marcação portuguesa».
Também a feroz imprensa do país irmão não poupou críticas à sua seleção.
Para o diário Última Hora: «foi uma festa lusitana com certeza, ontem em Riade. Um Brasil imaturo foi completamente envolvido por Portugal. Os portugueses foram sempre mais práticos e apresentaram um melhor futebol que a nossa seleção».
Já a Gazeta Esportiva escrevia: «Deu Portugal, ó pá. Num jogo de muitas estrelas e pouco brilho. Se houve brilho esse pertenceu a Portugal».
Presentes neste duelo de irmãos estiveram igualmente duas lendas do futebol brasileiro e planetário: Zico e Pelé. Para o Galinho de Quintino não era hora de «condenar os jogadores», lançando ainda um apelo à CBF: «Temos de uma vez por todas de acabar com a mania de que o Brasil é o melhor do Mundo e não pode perder um só jogo».
Por sua vez, o Rei Pelé ainda se mostrava… demasiado arrogante relativamente à aparente superioridade do futebol do seu país face ao resto do Mundo: «Portugal não tem tão bons jogadores, mas foi a melhor equipa. Espero que Portugal ganhe a final». Vá lá, do mal o menos, o Rei estava a partir dali ao nosso lado.

Na verdade, o Brasil não era aquele bicho papão que muitos apregoavam antes e durante este Mundial. Queiroz reconhecia que Portugal tinha batido uma grande equipa, «que possui(a) extraordinários jogadores». Mas… «jogo após jogo provamos a toda a gente que também temos uma boa equipa e bons jogadores». Questionado sobre o segredo da histórica vitória o selecionador nacional foi parco em palavras («conhecíamos alguma coisa do Brasil e jogamos à nossa maneira. Foi só isso!»), até porque a hora era dos jogadores: «hoje não me perguntem mais nada. A hora é dos jogadores, falem com eles».
E estes mostraram um misto de alegria, ambição e… revolta, como foi o caso de João Pinto, que colocou o dedo na ferida do futebol português. Por outras palavras, contra a vincada tendência de os clubes nacionais contratarem carradas de jogadores brasileiros e dessa forma colocarem de parte o futebolista português. «Espero que esta vitória sirva de exemplo a muita gente e para o que de mau tem acontecido ao futebol português. Só não abrirão os olhos aqueles a quem interessa continuar a promover o mau futebol. Ou esses…ou os cegos. Aqueles que por incapacidade visual não puderam ver pela televisão a qualidade do nosso futebol. Não sou contra os jogadores brasileiros, mas contra quem os contrata».
Na mesma linha de pensamento Filipe começaria por dizer que a vitória sobre o Brasil resultou de «um belo jogo. Estamos a provar que temos valor. Agora quero ser campeão do Mundo e titular do…Torreense».
Era Portugal a caminho da final e do… título!

(continua)

Vídeos
 Portugal - Colômbia
 Portugal - Brasil