sexta-feira, julho 05, 2019

Histórias do Futebol em Portugal (29)... A conquista europeia que parece esquecida na Enciclopédia do futebol luso


Associação de Futebol de Braga ergueu em 2011
a única Taça das Regiões da UEFA
do futebol luso

Numa altura em que a nação futebolística (portuguesa) enriqueceu o seu palmarés com um novo título internacional, o mesmo será dizer, a Liga das Nações da UEFA, será porventura oportuno recordar uma outra glória continental cuja memória parece cada vez mais esbatida à medida que o tempo avança. Por outras palavras, uma conquista esquecida ou desconhecida (para muitos) mas que para sempre fará parte da história do futebol nacional no que ao rol de títulos internacionais (quer seja ao nível de clubes, quer seja ao nível de seleções) diz respeito.
Um feito que não vai muito longe na "estrada do tempo", oito anos (que se cumpriram no último mês de junho) para sermos mais precisos. Só por isso seria merecedor de estar bem fresco na memória de todos os adeptos do futebol, mas o pouco mediatismo que é dado à competição faz com que praticamente não passe de uma gloriosa lembrança quase somente para quem viveu de perto as emoções desta vitória internacional.
Sem mais rodeios abrimos hoje as portas do Museu Virtual do Futebol para falar da conquista da Taça das Regiões da UEFA por intermédio da seleção distrital da Associação de Futebol de Braga (AFB) no início do verão de 2011.

Taça das Regiões da UEFA! Mas afinal o que é isto?

O troféu que coroa o campeão
da UEFA Regions Cup
Mas antes de entrarmos propriamente na Máquina do Tempo para recordar a mítica tarde de 28 de junho no Estádio Cidade de Barcelos em que o combinado da AFB derrotou os irlandeses do Leinster & Munster por 2-1 e conquistou pela primeira (e única, até à data) vez o caneco para Portugal, é de bom tom fazer uma breve apresentação da UEFA Regions Cup, ou traduzido para o nosso idioma, a Taça das Regiões da UEFA.
Pensada pelo organismo que tutela o futebol europeu - a UEFA - em finais do século XX, a Taça das Regiões iria ver a luz do dia em 1999, com a realização da primeira edição de um certame cujo intuito é promover o futebol amador do Velho Continente. A competição é destinada às associações regionais de futebol dos países membros da UEFA.

A Regions Cup segue na linha da extinta Taça Amadora da UEFA, disputada por clubes amadores entre 1966 e 1978, e cujo término se ficou a dever - sobretudo - à falta de popularidade entre os adeptos da modalidade. Nos anos 90 a UEFA repensou então a competição, procedendo a algumas alterações, desde logo em relação aos participantes na mesma, que passaram a ser as seleções regionais/distritais de cada país, as quais disputam a prova em diversas fases, sendo que a última delas - a fase final - é sediada numa nação, à semelhança do que acontece com as outras competições de selecionados nacionais organizadas pela UEFA.
Cada país envia à Taça das Regiões o vencedor do seu respetivo campeonato nacional de regiões. A competição é disputada de dois em dois anos, sendo que em junho de 2019 cumpriu-se o vigésimo aniversário da (re)fundação da maior competição internacional do futebol amador a nível europeu.
A seleção da A.F. Braga fez a festa em Barcelos
Voltemos então a 2011, ano em que a UEFA levou a cabo a fase final da 7.ª edição da competição, escolhendo Portugal, mais concretamente a zona do Minho, para encontrar o sucessor da equipa da região de Castilla e León (Espanha) na lista de vencedores (http://bit.do/eYiHb).
Porém, a caminhada para a fase final teve início muito antes, mais concretamente em finais de agosto de 2010, altura em que arrancou a fase de qualificação que iria definir os oito finalistas da UEFA Regions Cup 2011.
O representante de Portugal foi então a seleção distrital da Associação de Futebol de Braga, que com três vitórias noutros tantos jogos realizados garantiu o primeiro lugar no Grupo 2 (que integrava ainda as seleções da EWC Escócia, da Região Centro da Bélgica, e da Região de Ticino/Suíça) da fase intermédia de qualificação, assegurando assim o passaporte para a fase final. Conhecidos os oito finalistas a UEFA atribuiu a Portugal a honra de organizar pela primeira vez a fase final do torneio, ficando definido que a AFB iria jogar em casa, isto é, no verde Minho, nos estádios Cidade de Barcelos, 1.º de Maio (Braga), Municipal de Vila Verde e no Complexo Desportivo de Fão, entre os dias 21 e 28 de junho.

Refira-se a título de curiosidade que o combinado distrital bracarense já havia estado muito perto de conquistar esta Taça das Regiões da UEFA, quando no ano de 2001 foi derrotado na final, realizada em Zlin (República Checa), pela seleção checa da Morávia, no desempate através de grandes penalidades.
Dez anos depois tudo seria diferente para os bracarenses, que nesta fase final foram orientados pelo experiente treinador minhoto Dito.
Seleção bracarense que era formada à base de futebolistas que atuavam (obrigatoriamente como atletas amadores, ou semi-profissionais) em equipas de vários emblemas minhotos, como os Caçadores das Taipas, o Santa Maria, o Amares, o Vilaverdense, entre outros.

A caminhada rumo ao inédito título

Momento do jogo ante os ucranianos
do Yednyst Plysky
Integrada no Grupo A da fase final a turma bracarense teve um trajeto imaculado, isto é, 100 por cento vitorioso, que começou com um triunfo por 3-1 no Estádio 1.º de Maio sobre o checos do Zlin por 3-1, com golos de Hugo Veiga, Diogo Leite e João Silva.
O passo seguinte rumo à desejada final foi dado em Barcelos, altura em que os portugueses derrubaram a muralha ucraniana do Yednyst Plysky. A seleção da AFB ainda apanhou um susto, quando logo aos 10 minutos os homens de leste colocaram-se em vantagem por intermédio de Babor. Contudo, a veia goleadora de José Ferreira (22 minutos) e Daniel Simões (59 minutos) e a inspiração do guarda-redes Simão Barbosa (defendeu uma grande penalidade) operaram a reviravolta no marcador e asseguraram mais um triunfo aos pupilos de Dito.

E seria em Vila Verde que a seleção bracarense iria assegurar matematicamente a passagem à final na sequência de uma nova e concludente vitória por 3-1 sobre a seleção distrital de Wurttemberg (Alemanha), com o destaque individual a ir para José Ferreira, autor de dois golos (37 e 88 minutos), cabendo a Pedro Nobre (no período de compensação da primeira parte) apontar o outro tento luso. E assim estava alcançada a final.
Jogo decisivo onde os bracarense iriam ter pela frente o vencedor do Grupo B, os irlandeses da região de Leinster & Munster, que haviam levado a melhor sobre a concorrência composta pelos combinados distritais de Belgrado (Sérvia), Ankara (Turquia) e Região Sul da Rússia.

Jogo intenso em Barcelos que fica para a História

Os dois vencedores da fase de grupos encontraram-se no Estádio Cidade de Barcelos, ao final da tarde de 28 de junho, tendo disputado um jogo intenso que terminou com o triunfo português por 2-1.
No entanto, a seleção da AFB teve de sofrer para colocar as mãos na taça. Os irlandeses até criaram o primeiro lance digno de registo na partida, quando logo aos três minutos Laurence Dunne enviou uma bola à trave da baliza de Rui Vieira. Após este susto inicial, os portugueses equilibraram um encontro onde o nervosismo (muitos passes errados de parte a parte) imperou na primeira meia hora. A AFB teve a sua primeira oportunidade golo somente ao minuto 33, quando uma bela incursão pelo flanco direito do lateral João Silva só foi travada por uma magnífica defesa do guarda-redes Brendan O'Connell.

O capitão de equipa Daniel Simões em luta
com um irlandês
Este lance animou o combinado luso, que até ao intervalo voltaria a ter uma nova e flagrante oportunidade de golo por intermédio de Luís Ribeiro. Valeram mais uma vez os excelentes reflexos de O'Connell. A segunda parte iniciou-se tal como a primeira, ou seja, com a equipa de Leinster & Munster a levar perigo à baliza bracarense na sequência de um perigoso cabeceamento de
David Lacey, tendo o golo sido evitado graças a uma magnífica intervenção de Rui Vieira. Era agora a vez do guardião luso mostrar os seus atributos.

Entretanto, Dito mexe no seu xadrez, colocando em campo Renato Reis (no lugar de Luís Ribeiro) e eis que à passagem do minuto 62 a (maior) qualidade técnica dos portugueses veio ao de cima com um grande golo de Pedro Nobre. O avançado captou a bola na entrada da área irlandesa, dominou-a com arte e engenho e dali mesmo, de fora de área, encheu o pé (direito) para enviar o esférico direitinho para o fundo das redes de O'Connell, que mais não fez do que assistir impotente ao grande golo bracarense.

Por norma, os irlandeses são um povo que dificilmente atiram a toalha ao chão perante o primeiro obstáculo encontrado e em Barcelos a garra irlandesa veio ao de cima praticamente logo a seguir ao golo português. Uma defesa incompleta de Rui Vieira (a remate de Ray Whelehan) permitiu a David O'Sullivan fazer a recarga vitoriosa e restabelecer assim a igualdade. A partida estava frenética.

Diogo Leite tenta ganhar a bola nas alturas
As equipas aumentaram a intensidade do seu futebol em busca do golo da vitória. E eis que numa altura em que já cheirava a prolongamento (corria o minuto 84) um golpe de sorte (ou não) protagonizado por José Fortunato deu a vitória e o inédito título à seleção de Braga... e ao futebol português.
Fortunato cruzou a bola na direita do seu ataque... diretamente para o fundo da baliza, fazendo o 2-1 final.
A festa, naturalmente, que invadiu o relvado do Estádio Cidade de Barcelos assim que o norueguês Ken Henry Johnson apitou pela última vez naquela tarde de glória do futebol nacional.
Sim, às conquistas internacionais do Benfica, Sporting, FC Porto e das seleções nacionais (até então só ao nível da formação) juntava-se agora esta UEFA Regions Cup.
Nesse jogo que ficará para a eternidade a seleção da Associação de Futebol de Braga alinhou da seguinte forma: Rui Vieira; José Fortunato, Tiago Costa, Daniel Simões e Talocha; Manuel Gonçalves (José Costa, 63), José Ferreira (Diogo Gomes, 73) e Hugo Veiga; Pedro Nobre, Diogo Leite e Luís Ribeiro (Renato Reis, 60).  

Proeza que caiu em esquecimento (?)

E no final a festa foi portuguesa!
A imprensa nacional deu a devida atenção e destaque, naturalmente, a esta conquista. Contudo, volvidos apenas oito anos dessa conquista alguns dos heróis de Barcelos sentem-se indignados com o esquecimento a que foram vetados até pela própria Associação de Futebol de Braga. Pelo menos a julgar pelo comunicado enviado o ano passado ao presidente da referida associação, onde manifestaram a «mágoa, tristeza e desilusão por terem sido esquecidos por alguém que deveria valorizar este feito». Precisamente a AFB.

Provavelmente, hoje, esta conquista não passa despercebida só a AFB, mas a outras altas instâncias do futebol português que ignoram (ou desconhecem?) que Portugal tem no seu palmarés um título internacional ao nível do futebol amador.

Ora, no Museu Virtual do Futebol os grandes feitos futebolísticos (sejam eles de maior ou de menor mediatismo) são evocados e guardados religiosamente nestas vitrinas virtuais. Nesse sentido, aqui fica a nossa homenagem ao heróis de Barcelos naquela tarde de 28 de junho de 2011. O futebol português, aliás, o desporto nacional, deve-vos, por isso, um "muito obrigado".

ENTREVISTA A HUGO VEIGA

«Esta conquista foi um dos melhores momentos
que vivi durante o meu percurso no futebol»

Hugo Veiga
Muitos dos obreiros desta conquista nacional caminham hoje pelos relvados do futebol distrital. Outros, já penduraram de vez as chuteiras sem terem experimentado a sensação de viverem sob os holofotes da fama do futebol profissional. Poucos, muito poucos, conseguiram ultrapassar a fronteira desse sonho, precisamente serem futebolistas profissionais. Aliás, essa é outra das missões (para além de promover o futebol amador, ou semi-profissional) desta competição uefeira, tentar descobrir talentos no futebol amador para encaminhá-los para o patamar profissional. Mas nem todos têm essa sorte. Um dos homens que fez parte do grupo de campeões da Taça das Regiões da UEFA de 2011 acabou a última temporada desportiva a defender as cores do Académico Futebol Clube de Martim, da Divisão de Honra da Associação de Futebol de Braga. Ele, que foi preponderante na caminhada para o título, tendo sido titular absoluto em todos os jogos da fase final e autor do primeiro golo da caminhada triunfal da equipa bracarense.
Com passagens pelos escalões de formação do Sporting Clube de Braga e do Gil Vicente deu início ao seu percurso no escalão sénior no Vieira S.C., onde jogou durante seis épocas, ao que seguiram cinco épocas no Santa Maria F.C, uma época no Brito S.C., duas temporadas nos Caçadores das Taipas, tendo atuado na segunda metade da época passada ao serviço do Martim.
Profissionalmente, é Business Coach na ZOME, num dos HUB’s do Porto, sendo um dos responsáveis pela Gestão, Formação e Acompanhamento dos Consultores Imobiliários da empresa.
Com enorme satisfação, pois não é todos os dias que recebemos um campeão da Europa, passamos a bola - neste caso a palavra - a Hugo Veiga, um dos médios escolhidos por Dito para integrar o grupo da seleção distrital da AFB nessa edição da competição.

Museu Virtual do Futebol (MVF): Que significado teve para si esta vitória na UEFA Regions Cup de 2011?
Hugo Veiga (HV): Para mim esta conquista foi sem dúvida um dos melhores momentos que vivi durante o meu percurso no futebol. Tudo o que envolveu a competição foi absolutamente fantástico, tornando-se ainda mais marcante pela nossa vitória.

MVF: O facto de a vitória ter acontecido em território nacional, ainda por cima na região de Braga, a vossa casa, teve um sabor ainda mais especial...
HV: ... Sem dúvida! O facto de ter sido em Portugal, de jogarmos em casa, permitiu termos perto de nós a nossa família e amigos, assim como algum público também. Sentimos muito o apoio da nossa região, assim como o apoio dos meios de comunicação social locais.

MVF: Olhando para trás, como podemos caracterizar o grupo campeão?
HV: O grupo, para além do talento individual de todos os meus colegas, funcionou sempre de forma perfeita. Quer dentro, quer fora do campo, a harmonia foi uma constante, e o apoio e a amizade entre todos foi fundamental e um dos segredos para o nosso sucesso.
O placard eletrónico do estádio não engana, a taça é bracarense!
MVF: Todos vocês eram jogadores amadores, ou semi-profissionais, que era aliás uma condição para participarem na prova. Mas durante aquela semana em que decorreu a fase final sentiram-se estrelas de futebol (?), digamos assim, com a sensação de participar numa competição internacional, de viver e trabalhar unicamente em volta da prova, de concentração absoluta na prova, à semelhança de uma seleção nacional quando está numa fase final de um Mundial e de um Europeu...
HV: As duas fases da competição (fase de apuramento e fase final) foram vividas por todos nós, staff e jogadores, de uma forma profissional. O empenho e a dedicação foram máximos, e só assim se tornou possível conquistarmos este troféu. Apesar de todos nós sermos amadores e/ou semi-profissionais, conseguimos, durante estes períodos, cumprir com a exigência de todos os momentos que enfrentamos, o que demonstra o empenho e a qualidade de todos.

MVF: O aspeto de terem sido orientados tecnicamente por um treinador profissional, o Dito, ajudou-vos a assimilar conceitos diferentes daqueles que estavam habituados no futebol amador e que terão sido fundamentais para vos guiar à vitória?
HV: Sem dúvida que o Mister Dito, assim como o Mister Salgueiro e todo o staff foram muito importantes para o êxito da nossa seleção. A forma de trabalhar não foi diferente da que estávamos habituados, até porque no futebol amador/semi-profissional há excelentes treinadores, e já havia naquela altura. No entanto, todos eles conseguiram incutir em nós esse espírito e mentalidade que nos permitiu vestir a “pele” de jogadores profissionais.

MVF: A participação no torneio foi também uma experiência para trocar partilhas/conhecimentos com jogadores amadores de outros países...
HV: Sim, claro. Durante o estágio e a competição, pudemos conviver com as outras seleções, perceber como o futebol é vivido em países como a Turquia, a Irlanda, ou Bélgica, por exemplo. Foi, a esse nível, uma experiência muito enriquecedora.

MVF: Tratando-se de uma competição menos mediática, mesmo sendo esta a nível internacional a maior prova de seleções distritais, como vocês sentiram que o país olhou para esta vossa vitória?
HV: Penso que teve o impacto merecido. A nível local, o acompanhamento que tivemos foi praticamente diário. A nível nacional, recordo-me de alguns momentos, principalmente em jornais desportivos, em que a nossa seleção foi alvo de algumas notícias e reportagens.
Hugo Veiga e um jogador irlandês antes da grande final
MVF: No entanto, ainda o ano passado o grupo que conquistou este triunfo inédito para Portugal emitiu um comunicado à AFB dando conta da sua mágoa e tristeza pelo esquecimento a que foram vetados...
HV: Penso que esse episódio (que foi uma iniciativa de alguns dos meus colegas) deveu-se principalmente ao facto de que, apesar de ter sido uma conquista fantástica por parte da nossa seleção, não voltou a ser relembrada pela Associação de Futebol de Braga. É claro que todos nós olhamos para trás com orgulho e até com alguma saudade, e sentimos e sabemos que foi um momento marcante, e que merece ser alvo de destaque ao longo do tempo.

MVF: Este esquecimento, digamos assim, é a prova de que o futebol amador, ou semi-profissional, não tem a atenção que merece no nosso país, que ainda é visto como um conjunto de rapazes que aos domingos se juntam para dar uns toques na bola(?)
HV: Penso que a visão sobre futebol amador ou semi-profissional tem sofrido algumas alterações nos últimos anos. Hoje em dia, as pessoas acompanham mais, até porque tem sido cada vez mais comum treinadores e jogadores deste nível passarem a níveis superiores. A formação que existe nos clubes tem também contribuído para um acréscimo de qualidade de todos os intervenientes, e isso acaba por beneficiar todos. Se seria benéfico existirem melhores condições para todos os praticantes? Sem dúvida que sim.

MVF: O que seria preciso em seu entender para mudar esta mentalidade em relação à forma menos atenta como por vezes se olha para o futebol amador/semi-profissional?
HV: Acredito que, se desde 2011 até agora, a mentalidade e as condições do futebol amador evoluíram, a perspetiva para o futuro é boa. Existe, claramente, uma grande discrepância entre o investimento que é feito em determinados níveis, sendo que a percentagem de praticantes é avassaladoramente superior nestas divisões inferiores. Uma melhor distribuição deste investimento poderia, na minha opinião, resultar num ganho ao nível da qualidade do futebol português. Talvez esta pudesse ser uma estratégia positiva para todos.
MVF: Voltando à conquista de 2011. Tirando o Talocha, que hoje atua como profissional no Boavista, e mais um ou outro atleta, mais nenhum jogador daquele grupo atingiu o patamar do futebol profissional. Você foi um deles. O que faltou para atingir esse patamar?
HV: Tivemos o Talocha, que espero que continue neste patamar por muitos e longos anos, mas também o Pedro, o Rui Vieira ou o Renato Reis, que também atingiram um excelente patamar no futebol. No meu caso, sinto-me muito feliz pelo meu percurso, pois consegui algumas conquistas e acima de tudo, o reconhecimento das pessoas e clubes por onde passei. Se não cheguei a outros patamares, quero acreditar que foi porque não tinha qualidade suficiente para isso, ou simplesmente porque a oportunidade não surgiu.

MVF: No aspeto pessoal, que benefícios retirou para a sua carreira futebolística dessa experiência na UEFA Regions Cup de 2011?
HV: Esta experiência foi uma alavanca em termos da minha maturidade como jogador. As épocas que se seguiram foram as minhas melhores épocas. Conquistar a UEFA Regions Cup foi uma motivação enorme, e trouxe mais confiança e experiência. Penso que consegui, nos anos que se seguiram, transportar tudo isso para os meus balneários e para dentro do campo.

MVF: O grupo de jogadores mantém contacto entre si?
HV: Sim, claro. Alguns de nós já éramos grandes amigos, e todos nos conhecíamos, ou de jogarmos juntos nos clubes, ou de nos defrontarmos. Esta experiência fortaleceu esses laços, sem dúvida.

MVF: Para terminar, fale-nos daquele golo apontado logo no primeiro jogo da fase final contra a equipa checa, que abriu o caminho da glória. Foi o seu melhor momento da fase final, ou guarda outro, ou outros, momento(s) ainda hoje na sua memória (?)
HV: Foi um golo muito importante para a equipa, assim como para mim. Sempre que temos um bom desempenho, a nossa confiança sai reforçada. No geral, fiquei muito satisfeito com a minha prestação, pois senti-me uma peça muito importante na nossa seleção. O momento mais importante foi a conquista do troféu, e acredito que todos os meus colegas partilham da minha opinião. Foi marcante!  

Nota: os créditos das fotografias que ilustram esta viagem ao passado são do sítio www.uefa.com

segunda-feira, julho 01, 2019

Flashes do Itália-San Marino 2019/Europeu de Sub-21 (21)...



Final

Espanha - Alemanha: 2-1

Golos: Ruíz, Olmo / Amiri

La Roja vinga derrota de há dois anos ante alemães e sobe ao topo da Europa...

quinta-feira, junho 27, 2019

Flashes do Itália-San Marino 2019/Europeu de Sub-21 (20)...

Meias-finais

Espanha - França: 4-1

Golos: Roca, Oyarzabal, Olmo, Mayoral / Mateta

Les Blues foram presa fácil para uma super Rojita...

Flashes do Itália-San Marino 2019/Europeu de Sub-21 (19)...

Meias-finais

Alemanha - Roménia: 4-2

Golos: Amiri (2), Waldschmidt (2) / Puscas (2)

Sensacionais romenos vêm a sonhada final escapar na compensação...

quarta-feira, junho 26, 2019

Flashes do Itália-San Marino 2019/Europeu de Sub-21 (18)...

Grupo C / 3ª Jornada

França - Roménia: 0-0

Nulo serviu para festa conjunta...

Flashes do Itália-San Marino 2019/Europeu de Sub-21 (17)...

Grupo C / 3ª Jornada

Croácia - Inglaterra: 3-3

Golos: Brekalo (2), Vlasic / Nelson, Maddison, Kenny

Ninguém se ficou a rir na despedida do Europeu...

segunda-feira, junho 24, 2019

Flashes do Itália-San Marino 2019/Europeu de Sub-21 (16)...

Grupo B / 3ª Jornada

Alemanha - Áustria: 1-1

Golos: Waldshchmidt / Danso

Empate garante qualificação germânica para a fase seguinte...

Flashes do Itália-San Marino 2019/Europeu de Sub-21 (15)...

Grupo B / 3ª Jornada

Dinamarca - Sérvia: 2-0

Golos: Larsen, Rasmussen

Vitória com sabor amargo para vikings que dizem adeus ao Euro...

domingo, junho 23, 2019

Flashes do Itália-San Marino 2019/Europeu de Sub-21 (14)...

Grupo A / 3ª Jornada

Itália - Bélgica: 3-1

Golos: Barella, Cutrone, Chiesa / Verschaeren

Squadra Azzurra faz a sua parte e fica à espera de ser um dos melhores segundos classificados...

Flashes do Itália-San Marino 2019/Europeu de Sub-21 (13)...

Grupo A / 3ª Jornada

Espanha - Polónia: 5-0

Golos: Fornals, Oyarzabal, Ruiz, Ceballos, Mayoral

La Rojita encanta e já está nas meias-finais...

sábado, junho 22, 2019

Flashes do Itália-San Marino 2019/Europeu de Sub-21 (12)...

Grupo C/ 2ª Jornada

Roménia - Inglaterra: 4-2

Golos: Coman (2), Puscas, Hagi / Gray, Abraham

Romenos vencem jogo de loucos e afirmam-se como uma das surpresas deste Euro...

Flashes do Itália-San Marino 2019/Europeu de Sub-21 (11)...

Grupo C / 2ª Jornada

França - Croácia: 1-0

Golo:Dembélé

Cabeça de Moussa Dembélé atira croatas para fora do Euro...


sexta-feira, junho 21, 2019

Flashes do Itália-San Marino 2019/Europeu de Sub-21 (10)...

Grupo B / 2ª Jornada

Dinamarca - Áustria: 3-1

Golos: Maehle (2), Olsen / Lienhart

Vikings reentram na corrida pela presença nas meias-finais...

Flashes do Itália-San Marino 2019/Europeu de Sub-21 (9)...

Grupo B / 2ª Jornada

Alemanha - Sérvia: 6-1

Golos: Waldschmidt (3), Richter, Dahoud, Maier / Zivkovic

Germânicos esmagam sérvios e têm apuramento ao virar da esquina...

quinta-feira, junho 20, 2019

Flashes do Itália-San Marino 2019/Europeu de Sub-21 (8)...

Grupo A / 2ª Jornada

Polónia - Bélgica: 3-2

Golos: Zurkowski, Bielik, Szymanski / Iseka, Cools

Contra todas as expectativas iniciais polacos estão com um pé e meio nas meias-finais...

Flashes do Itália-San Marino 2019/Europeu de Sub-21 (7)...

Grupo A / 2ª Jornada

Itália - Espanha: 3-1

Golos: Chiesa (2), Pellegrini / Ceballos

Italianos reerguem-se após escorregadela inesperada na estreia...

Flashes do Itália-San Marino 2019/Europeu de Sub-21 (6)...

Grupo C / 1ª Jornada

Roménia - Croácia: 4-1

Golos: Hagi, Baluta, Petre, Puscas (p.b.) / Vlasic

Filho de peixe sabe...comandar! Certo Ianis Hagi?...

Flashes do Itália-San Marino 2019/Europeu de Sub-21 (5)...

Grupo C / 1ª Jornada

Inglaterra -França: 1-2

Golos: Foden / Ikoné, Bissaka (p.b.)

Gauleses saíram a sorrir do clássico do futebol europeu graças ao azar britânico em tempo de compensação...

Flashes do Itália-San Marino 2019/Europeu de Sub-21 (4)...

Grupo B / 1ª Jornada

Sérvia - Áustria: 0-2

Golos: Wolf, Horváth

Nem a estrela endiabrada Zivkovic conseguiu evitar o tombo sérvio ante austríacos com futuro...

Flashes do Itália-San Marino 2019/Europeu de Sub-21 (3)...

Grupo B / 1ª Jornada

Alemanha - Dinamarca: 3-1

Golos: Richter (2), Waldschmidt / Skov

Panzers levam a melhor sobre os vizinhos vikings na estreia do Euro partilhado por Itália e San Marino...

Flashes do Itália-San Marino 2019/Europeu de Sub-21 (2)...

Grupo A / 1ª Jornada

Espanha -Bélgica: 2-1

Golos: Olmo, Fornals / Soler (p.b.)

Triunfo sofrido ao cair do pano de um dos candidatos a erguer o caneco...

Flashes do Itália-San Marino 2019/Europeu de Sub-21 (1)...

Grupo A / 1ª Jornada

Itália - Polónia: 0-1

Golo: Bielik

Squadra Azzurra deixa-se surpreender na abertura do seu Europeu...

segunda-feira, junho 10, 2019

Lista de Campeões... Liga das Nações da UEFA

 É a competição mais nova do calendário oficial da UEFA no que concerne a seleções nacionais. A Liga das Nações conheceu a sua primeira edição na temporada de 2018/19 e teve Portugal como primeiro vencedor. A prova é disputada em épocas ímpares, isto é, num período em que não há fases finais de Mundiais nem de Europeus. A Liga das Nações é disputada pelas 55 nações que integram a UEFA, sendo estes combinados nacionais divididos em quatro divisões, ou seja, a Liga A, a Liga B, a Liga C e a Liga D. Cada divisão tem quatro grupos, sendo que na Liga A os vencedores de cada grupo apuram-se para uma fase final com o intuito de disputar o título. Nas restantes divisões o vencedor do grupo é promovido à liga superior na edição seguinte da competição, ao passo que o último classificado desce à liga inferior no torneio seguinte. A primeira fase final da Liga das Nações decorreu em junho de 2019, em Portugal. 

2018/19: PORTUGAL

terça-feira, maio 28, 2019

Grandes Mestres do Jornalismo Desportivo (15)... Vítor Cândido


Poucos serão os jornalistas desportivos a quem se lhes perdoa – ou perdoou, no caso daqueles que já nos deixaram – o facto de não esconderem a sua fervorosa paixão por determinado clube que não aquele pelo qual o nosso coração bate. Por outras palavras, poucos serão os mestres da pena que ao longo da sua carreira recolheram aplausos e sobretudo são – ou foram – merecedores da admiração de adeptos de todos os clubes pelo profissionalismo exibido ao longo da sua carreira. Poucos serão ainda os que exibiram valores como honestidade, justiça, imparcialidade, rigor, e claro está, talento para a criação de verdadeiras prosas jornalísticas desportivas que serão lidas e relidas eternamente tal e qual as grandes obras de vultos da História literária de Portugal.
Em suma, nomes que serão eternos quando o tema de conversa for: “grandes jornalistas desportivos”, ou “verdadeiros jornalistas”. Uma “espécie” em vias de extinção na atualidade no que ao jornalismo desportivo diz respeito, há que dizê-lo.

Mas a nossa figura de hoje apesar de pertencer a uma geração passada de grandes vulto da comunicação social desportiva, continua no ativo, a brindar todos aqueles que gostam de bom jornalismo com as suas histórias e talento para fazer bailar as palavras.
Essa ilustre figura é Vítor Cândido, notável jornalista que sobressaiu sobretudo ao serviço de A Bola… e adepto confesso do Sporting Clube de Portugal.
Natural do Concelho de Arganil, Vítor Cândido foi não só um notável jornalista do jornal da Travessa da Queimada como também um dedicado colaborador e dirigente do clube de Alvalade.

Foi precisamente o seu amor pelo Sporting que o introduziu no mundo do jornalismo desportivo, quando ainda jovem acompanhava religiosamente algumas modalidades ditas amadoras na toca do leão, o mesmo será dizer, Alvalade.
Os combates de boxe travados pelos pugilistas do seu amado clube a que assistia, levaram elementos desta secção a convidar o então jovem Vítor Cândido a colaborar mais de perto com esta. Depois do boxe seguiram-se as lutas amadoras e o halterofilismo, secções que constatando in loco a dedicação e competência daquele jovem em prol do Sporting também o “requisitaram” para dar uma ajuda… nas “catacumbas” de Alvalade, como o próprio Vítor Cândido ainda hoje se refere, com carinho e saudade, aos locais (sombrios) onde estas modalidades então se desenvolviam/eram praticadas no reino do leão. Cenário bem diferente daquele que é oferecido hoje no moderno e confortável Pavilhão João Rocha, a casa das modalidades do Sporting. Outros tempos.

A sua dedicação, sempre a custo zero, ao Sporting valeu-lhe em meados dos anos 80 um convite da Direção presidida por Amado de Freitas para integrar os quadros diretivos leoninos. Mas muito antes deste convite um outro convite haveria de mudar a vida do jovem Vítor. Enquanto acompanhante atento das modalidades do clube foi convidado pelo Jornal Sporting (então o único órgão de oficial dos leões) para escrever uns textinhos sobre as competições em que muitas dessas secções do clube participavam. Era o pontapé de saída de uma brilhante carreira de jornalista.
Os seus atributos não demoraram a sair das fronteiras de Alvalade e eis que certo dia recebe um telefonema do chefe de redação da Rádio Comercial, Fernando Correia, que sabendo que Vítor Cândido acompanhava muitas competições dessas modalidades lhe acenou com um convite de colaborador da rádio – que consistia em transmitir à estação de rádio os resultados das várias competições, atendendo a que esta não tinha então colaboradores em muitas das chamadas modalidades amadoras.
Uma semana depois deste convite recebe outro telefonema. Era A Bola. Nomes históricos deste jornal, como Carlos Pinhão e Homero Serpa convidam o jovem Vítor Cândido – que na altura, em termos profissionais, era técnico de vendas – para colaborador.
Em inícios dos anos 80 fixa-se no jornal da Travessa da Queimada, em cujas páginas, nas décadas seguintes, cravou largas centenas – porque não dizer milhares – de peças jornalísticas que fizeram a delícia dos verdadeiros amantes do desporto, em particular do futebol. Fossem eles sportinguistas, benfiquistas, portistas, ou de qualquer outro emblema.
Aliada à sua mestria jornalística exibia com simplicidade à sua figura simpática e amigo do seu amigo, traços de uma personalidade que lhe valeram não só a admiração mas acima de tudo a amizade de centenas de figuras ligadas ao desporto, independentemente da camisola que defendiam ou amavam. Quantos jornalistas poderão gabar-se de terem cultivado amizade com “gentes” de inúmeros clubes? Só os grandes, sem dúvida.

Paralelamente à carreira de jornalista Vítor Cândido continuou ligado ao seu Sporting na condição de dirigente, ora coordenando algumas modalidades amadoras, ora como dirigente do futebol juvenil leonino. A sua dedicação extrema ao clube seria por diversas vezes reconhecida, como por exemplo em 1981, altura em que foi distinguido (na qualidade de dirigente do ano) com o Prémio Stromp, tão só o mais alto galardão do Sporting.
No jornalismo foi também por diversas vezes galardoado, destacando-se entre os muitos prémios o de “Jornalista do Ano”, atribuído pela Associação Nacional de Treinadores de Futebol, bem como o prestigiado Prémio Cândido de Oliveira.
Na atualidade, Vítor Cândido tem exibido os seus créditos de exímio contador de histórias na Sporting TV (televisão oficial do seu clube), dando vida a inúmeros programas onde o passado se cruza com o presente.