sábado, abril 08, 2006

Grandes lendas do futebol mundial (1)... Eusébio - O Pantera Negra


Começamos esta visita guiada pelo Museu Virtual do Futebol por dar espreitadela ao cantinho das grandes lendas do maravilhoso mundo da bola. Como não podia deixar de ser, o primeiro grande mago, o primeiro imortal do futebol que visitamos é nem mais nem menos do que o Rei do futebol português, de seu nome Eusébio.
Nascido a 25 de Janeiro de 1942 num pobre bairro de Moçambique (na altura uma colónia portuguesa), mais concretamente em Mafalala, nos arredores da capital Lourenço Marques (hoje Maputo), Eusébio cedo começou a dar nas vistas na arte de bem manejar o esférico. Os seus dribles, rápidos e ziguezagueantes, aliados ao seu poderoso pontapé, desde logo cativaram os amantes do futebol local. Foi ao serviço do Sporting de Lourenço Marques (na altura filial do Sporting Clube de Portugal) que Eusébio começou a espalhar o perfume do seu futebol pelos campos moçambicanos, não sendo de estranhar que começasse a “aguçar o apetite feroz” dos olheiros dos dois principais clubes da Lisboa. De tal maneira disputado que se pode mesmo dizer que desencadeou uma “autêntica guerra” entre os dois clubes lisboetas, que deram tudo por tudo para ter esta pérola africana nas suas “vitrinas”. Viria a ser o Benfica a vencer esta “guerra” pela disputa do jovem Eusébio, que depois de se ter comprometido com o emblema da águia teve de viajar para Lisboa disfarçado sob o nome falso de Ruth para que os dirigentes leoninos não o descobrissem. Sporting que ainda hoje afirma a pés juntos que Eusébio foi raptado pelo Benfica, estória esta que o próprio moçambicano trata de desmentir, dizendo que a sua primeira e única preferência foi sempre o Benfica.

O principio da aventura

Inscrito pelo clube da Luz na Federação Portuguesa de Futebol, Eusébio era então oficialmente jogador do Benfica, e em 23 de Maio de 1961 o jovem prodígio fez a sua estreia oficial com a camisola encarnada num jogo pela equipa de reservas benfiquistas contra o Atlético. No entanto, cinco dias mais tarde o treinador encarnado de então, o húngaro Béla Guttmann, oferece a Eusébio a possibilidade de se sagrar campeão nacional pela primeira vez na sua carreira, dando-lhe alguns minutos no jogo da consagração do título benfiquista da época 60/61 diante do Belenenses, tendo o clube da Luz vencido por 4-1, e logo com um golo de Eusébio. O moçambicano contava então com 17 anos de idade.

A estrela Eusébio ofusca a estrela Pelé

Era o início da grande epopeia de Eusébio ao serviço do Benfica. Ainda no final dessa época o Benfica (que meses antes se havia sagrado pela primeira vez Campeão Europeu de Clubes, depois de bater em Berna o Barcelona por 3-2) é convidado a participar no famoso Torneio Internacional de Paris, que contava ainda com a participação do Racing de Paris (o clube organizador), dos belgas do Anderlecht, e da maior e melhor equipa de futebol do planeta daquela altura, o mítico clube brasileiro Santos, onde actuava outra lenda do futebol mundial, de seu nome Pelé. Depois de afastar o Anderlecht nas meias-finais o Benfica iria defrontar na final do Torneio de Paris precisamente o Santos de Pelé. Uma partida onde o Benfica chegou a estar a perder por 0-5, mas aos 30 minutos da 2ª parte Eusébio entrou no relvado do Parque dos Príncipes para substituir o seu colega de equipa Santana, e eis que em apenas 15 minutos o jovem moçambicano faz verdadeira magia ao apontar nada mais nada menos do que três golos. Apesar da derrota por 3-5, o grande destaque daquela final acabaria por ser Eusébio, que ofuscou nesse jogo a maior das estrelas em campo, Pelé. Nascia assim um novo mito do futebol, Eusébio havia tido uma estreia em grande na alta roda do futebol internacional.

Eusébio na alta roda europeia

Na temporada seguinte o jovem benfiquista continuou a brilhar a grande altura, tendo sido um dos grandes esteios na segunda conquista por parte dos benfiquistas da Taça dos Clubes Campeões Europeus. Na final desta competição, Eusébio voltou a ser a grande estrela, ofuscando outro mito da bola da altura, Alfredo Di Stéfano, que defendia as cores do rival do Benfica nessa final, o colosso Real Madrid. O que é certo é que Eusébio marcou os dois golos da vitória por 5-3 sobre os campeões de Espanha, conquistando desta forma o seu único título europeu de clubes. Ainda nesse mesmo ano Eusébio estreou-se pela Selecção Nacional num jogo de má memória para a “turma das quinas”. Um jogo no Luxemburgo, onde Portugal perdeu por 2-4, uma das mais vergonhosas derrotas na história da Selecção, mas onde Eusébio apontou um dos golos de Portugal, o seu primeiro com as quinas ao peito. Ainda em 61/62 o moçambicano pisou pela primeira vez na sua carreira um relvado onde brilharia a grande altura inúmeras vezes, o mítico relvado de Wembley. Foi num jogo entre Inglaterra e Portugal, com a vitória a pertencer à equipa da casa por 2-0, mas com uma magnífica exibição de Eusébio. Exibição esta que lhe valeria a alcunha dada pelos ingleses de Pantera Negra, nome este que pegou desde logo de estaca e pelo qual ainda hoje Eusébio é conhecido. Nos anos seguintes a Pantera Negra continuou a ser uma peça preponderante no sucesso do Benfica, quer a nível nacional, quer a nível internacional, tendo atingido por mais duas vezes a final da mais importante competição europeia, primeiro em 1963, ante o Milan, em Wembley (derrota por 1-2), e em 1965 diante do Inter de Milão, em San Ciro (derrota por 0-1).

A grande estrela do Mundial 66

Mas seria outra vez a Inglaterra a ver a estrela Eusébio a brilhar. Por esta altura Eusébio era também muitas vezes chamado a integrar as selecções de futebol da Europa e do Resto do Mundo, actuando ao lado dos melhores craques de então, uma prova clara de que também ele já era um craque.
Corria o ano de 1966 e as terras de Sua Majestade acolhiam pela primeira, e única, vez na sua história a fase final do Campeonato do Mundo, prova esta para à qual pela primeira vez também na sua história Portugal se havia qualificado. Selecção Nacional que possuía uma equipa fabulosa, composta por grandes nomes, como por exemplo Coluna, José Augusto, Simões, José Torres, Hilário, Germano, José Pereira, Vicente, Jaime Graça, Morais, e claro, a estrela maior Eusébio. Portugal ficou agrupado no Grupo 3 da 1ª fase, juntamente com a Bulgária, Hungria, e o campeão do Mundo em título e grande favorito à vitória final, o Brasil. No primeiro jogo ante a Hungria os portugueses fazem uma grande exibição, colmatada com uma grande vitória por 3-1.
O cliente seguinte, a Bulgária, foi igualmente despachada com a “chapa 3”, 3-0 foi o resultado de mais uma grande exibição dos “Magriços”, como ficou conhecida a equipa das quinas de 1966, um jogo onde Eusébio marcou o seu primeiro golo desse Mundial 66. O último jogo da 1ª fase do grupo 3 opôs Portugal ao Brasil, e pôde-se então assistir a mais uma grande exibição de Portugal, que humilhou por completo os bi-campeões do Mundo, vencendo-os por 3-1. Grande responsável por este resultado foi Eusébio, que para além dos dois golos que apontou, fez uma exibição do “outro mundo”, como se costuma dizer, ofuscando, mais uma vez, a grande estrela Pelé, que saia desse Mundial vergado pela raça lusitana. Nos quartos-de-final Portugal defrontou a Coreia do Norte, outra das grandes surpresas do Mundial 66 pelo facto de ter mandado para casa a poderosa Itália. Coreia que demonstrou e bem o porquê de ter eliminado a Itália, já que poucos minutos depois do árbitro ter apitado para o início do encontro vencia Portugal por 3-0. Só um homem foi capaz de dar a impossível e inacreditável volta a esse resultado, e advinhem quem? Esse mesmo, Eusébio. Apontou quatro, ouviram bem, quatro golos que ajudaram Portugal a vencer os pequenos e bravos coreanos por 5-3, naquele que ainda hoje é tido como um dos mais belos jogos de sempre da história dos Campeonatos do Mundo. Nas meias-finais Portugal defrontou a equipa da casa, a Inglaterra, para quem viria a perder, por 1-2, a presença na final da prova, com Eusébio a apontar o tento de honra da turma das quinas e a deixar o relvado de Wembley lavado em lágrimas, uma imagem que ainda hoje corre o Mundo. Para o jogo dos 3º e 4º lugares com a antiga União Soviética, Eusébio apontou um golo que ajudou Portugal a conquistar o 3º lugar do Mundial 1966. Pese embora a Selecção Nacional não tenha ganho a competição, Eusébio foi eleito o melhor jogador da mesma, tendo ainda vencido o título de melhor marcador, fruto dos nove golos que apontou.

Os anos que se seguiram

Nos anos seguintes Eusébio voltou a ganhar inúmeros títulos ao serviço do seu Benfica, na sua totalidade títulos nacionais (repartidos por Campeonatos Nacionais e Taças de Portugal). A nível internacional o máximo que conseguiu foi levar o Benfica a mais final da Taça dos Campeões Europeus, em 1968, desta feita ante o Manchester United, em Wembley. Mais uma vez o relvado de Wembley, que tantas vezes teve o privilégio de ser pisado por Eusébio, não trouxe sorte ao Pantera Negra. Visto que o Benfica perdeu a final por 1-4. Em 1975 deixou o Benfica, com 727 golos em 715 jogos. É obra!!!. Jogou ainda nos Estados Unidos da América ao serviço do Rhode Island Oceaneers, do Boston Minuttem (clube pelo qual conquistou um Campeonato Norte-Americano), Las Vegas Quicksilver, New Jersey Americans, no Canadá pelos Toronto Metros Croatia, e no México ao serviço do Monterrey (por quem venceu um campeonato mexicano). Em Portugal jogou ainda pelo Beira-Mar e pelo União de Tomar, mas já sem o fulgor de outros tempos, já na fase descendente da sua gloriosa carreira. Foi sem dúvida alguma o maior jogador de todos os tempos do Benfica e de Portugal, tendo o clube da Luz erguido uma estatua sua em frente ao seu estádio. Massacrado pelos adversários, Eusébio foi por seis vezes operado ao joelho esquerdo e uma ao direito, tendo perdido a conta às infiltrações sofridas para jogar e ajudar o seu Benfica.

Currículo impressionante

Alvo de diversas homenagens e condecorações, Eusébio conta no seu palmarés com 11 Campeonatos Nacionais (1961, 1963, 1964, 1965, 1967, 1968, 1969, 1971, 1972, 1973 e 1875), 4 Taças de Portugal (1962, 1964, 1969 e 1975), 1 Taça dos Clubes Campeões Europeus (1962), 1 Campeonato dos Estados Unidos da América (1976), 1 Campeonato do México (1976) e uma Medalha de Bronze de um Campeonato do Mundo (1966).
A nível individual foram igualmente inúmeros os prémios conquistados, mais concretamente, 7 Bolas de Prata pelo facto de ter sido o melhor marcador do Campeonato Português (1964/28 golos; 1965/28 golos; 1966/25 golos; 1967/31 golos; 1968/43 golos; 1970/20 golos; e 1973/40 golos. Venceu ainda a Bota de Ouro (prémio para o melhor marcador de todos os campeonatos europeus) por duas vezes (1968 e 1973). Mas o maior prémio individual que o Pantera Negra venceu foi em 1965, ano em que lhe foi atribuída a Bola de Ouro, pelo facto de ter sido considerado o melhor jogador da Europa nesse ano. Pela Selecção Nacional actuou por 64 vezes tendo apontado 41 golos, um recorde que durou anos e anos e só há bem pouco tempo foi batido por Pauleta. “Menino de Ouro” para Béla Guttmann, o seu primeiro treinador, “Património de Estado” para Salazar, que impediu a sua transferência para a Juventus, ou simplesmente Rei para os amantes da bola, Eusébio recebeu da FIFA a nomeação para ser um dos 10 maiores jogadores da história do futebol do Século XX. Hoje é ainda o grande Embaixador do Benfica e de Portugal no estrangeiro. Senhoras e senhores, Eusébio da Silva Ferreira, simplesmente o Rei do Futebol Português e uma das maiores lendas do futebol planetário.

Nota: Eusébio faleceu a 5 de janeiro de 2014 

Video: Pequeno vídeo sobre Eusébio
video

Nenhum comentário: