quarta-feira, junho 06, 2012

História dos Europeus de Futebol (7)... França 1984

24 anos depois o Campeonato da Europa regressava a casa! França acolhia novamente a fase final da competição depois de em 1960 a ter dado a conhecer ao Mundo. Era uma oportunidade de ouro para o futebol francês mostrar na grande montra que era já o Europeu a qualidade que vinha evidenciando ao longo dos últimos anos, através de um punhado de grandes jogadores de futebol que iriam marcar a história da modalidade, como mais à frente iremos confirmar. E se a talentosa França dos anos 80 havia garantido um lugar entre as oito finalistas do Euro 84 na qualidade de país organizador do certame as outras 7 seleções tiveram de suar, e muito, para marcar presença em terras gaulesas no Verão de 1984. Mesmo as mais cotadas internacionalmente não tiveram vida fácil ao longo da fase de qualificação, como foi o caso da campeã da Europa em título, a República Federal da Alemanha (RFA), que terminou o seu grupo com os mesmos pontos que a Irlanda do Norte, com quem aliás perdeu os dois jogos de qualificação (!), tendo garantido o apuramento para a fase final devido à melhor diferença entre golos marcados e sofridos. Também a Espanha sofreu a bom sofrer para superar a Holanda, sendo que à entrada para o último dia de qualificação os espanhóis precisavam de marcar pelo menos 11 golos à frágil seleção de Malta para assegurar a viagem até França. E eis que o milagre aconteceu, Espanha goleou Malta por 12-1 (!) e pela terceira vez na sua história estava na fase final de um Campeonato da Europa. Qualificações surpreendentes foram alcançadas pela Dinamarca (venceu um grupo que continha a poderosa Inglaterra), pela Roménia (desenvencilhou-se da potência Itália, que dois anos antes se havia sagrado campeã do Mundo!!!), e por Portugal! A seleção lusa voltava assim à alta roda do futebol internacional 18 anos depois de ter encantado o planeta da bola durante o célebre Mundial de 1966 onde Eusébio e companhia ascenderam à galeria dos imortais Deuses do Futebol após a brilhante conquista do 3º lugar do certame ocorrido nesse ano em Inglaterra. Mas para estar pela segunda vez na sua história na fase final de uma competição internacional a equipa portuguesa bafejou de uma pontinha de sorte... e da ajuda de um tal Georges Konrath, o árbitro francês que apitou no Estádio da Luz um decisivo Portugal - União Soviética na última jornada da fase de qualificação. A precisar de vencer para se qualificar a seleção lusitana beneficiou, ao cair do pano sobre a primeira parte desse encontro, de uma grande penalidade... inexistente. De nada valeram os protestos dos soviéticos, já que Rui Jordão converteu o castigo que deu origem ao único golo de uma tarde que viria a ser de glória para a nação portuguesa. Portugal estava no Euro francês graças à preciosa ajuda de um... francês. Complicada foi também a qualificação da talentosa Jugoslávia, que só no derradeiro capítulo do seu grupo levaria a melhor sobre o País de Gales. A única seleção que teve talvez o apuramento mais tranquilo foi a Bélgica, que na década de 80 emergia como uma potência internacional, que venceu facilmente um grupo composto por Suíça, República Democrática da Alemanha, e Escócia.

França encanta e domina facilmente o seu grupo

A 12 de junho de 1984 o Parque dos Príncipes, em Paris, engalanou-se para dar o "pontapé de saída" da 7ª edição do Campeonato da Europa. Mais de 48 000 espetadores marcaram presença no jogo de abertura que opôs a genial seleção da casa à talentosa Dinamarca. Duas boas equipas em campo e um bom jogo de futebol em perspetiva. E assim foi. Desde logo notou-se um grande entusiasmo do público francês em torno do seu combinado nacional, um grupo que tinha no meio campo e na linha avançada os seus pontos mais fortes e deslumbrantes, sob o comando de um mago chamado Michel Platini. E seria precisamente o número 10 gaulês o autor do único tento desse final de tarde na bela cidade de Paris, quando estavam decorridos 77 minutos de jogo. França que viria a sofrer um duro golpe na partida inaugural do torneio, quando viu um dos seus melhores defesas, Manuel Amoros, ser expulso na sequência de uma agressão ao dinamarquês Jesper Olsen, tendo a UEFA aplicado uma punição de... 3 jogos! Face a isto Amoros apenas poderia voltar à ação na final, caso a França lá chegasse... o que viria a acontecer.
Em Lens (uma das 7 cidades que acolheu o Euro francês) no outro encontro do Grupo 1 confirmou-se a supremacia da Bélgica, que era tida à partida como uma das candidatas à glória final. 2-0 foi o resultado da vitória belga sobre a Jugoslávia.
E na 2ª jornada do grupo Platini trouxe magia ao Euro 84. Com uma exibição deslumbrante do mago jogador a França goleou em Nantes a criativa Bélgica por 5-0 (!), com 3 dos golos a serem da autoria do atleta que atuava na Juventus de Itália. O mesmo resultado verificou-se no outro jogo, em Lyon, com a Dinamarca formada por um talentoso naipe de futebolistas, onde pontificavam nomes como Elkjaer, Lerby, Morten Olsen, e de um jovem de apenas 20 anos chamado Michael Laudrup, a esmagar uma Jugoslávia que com esta derrota dizia adeus à competição.
Talvez pelo facto de já não ter nada a perder a equipa dos balcãs complicou a vida aos franceses no último jogo da 1ª fase. Uma curta vitória por 3-2, graças a mais uma exibição soberba de Platini, autor dos 3 golos da sua equipa (!), foi o que a França conseguiu ante a seleção do guarda redes Tomislav Ivkovic, que anos mais tarde viria a representar o Sporting.
O outro jogo do grupo afigurava-se como uma autêntica final, quem vencesse alcançava as meias finais. Diga-se como nota informativa que em 1984 a UEFA voltava a introduzir as meias finais na fase final do Campeonato da Europa, depois de as ter eliminado no Euro 80. Voltando à ação para lembrar que Dinamarca e Bélgica protagonizaram um jogo intenso e memorável em Estrasburgo, cabendo a Elkjaer vestir o fato de herói depois de aos 83 minutos ter feito o 3-2 final para os nórdicos que assim acompanhavam a invicta França rumo à fase seguinte. Quanto à favorita - na entrada para o Euro - Bélgica acabava por morrer na praia.

Portugal torna-se na grande surpresa do Europeu

14 de junho de 1984 é um dia que fica marcado na história do futebol português. Nesse final de tarde a equipa lusa estreia-se na fase final de um Europeu, e logo contra uma potência do futebol mundial, a RFA, que na altura era não só a campeã da Europa em título como também a vice campeã do Mundo. No estádio Le Meinau, em Estrasburgo, os portugueses seriam apoiados freneticamente por um largo número de emigrantes a residir em França, facto que terá ajudado os selecionados de Fernando Cabrita a protagonizar a primeira grande surpresa da competição. Ante os alemães Portugal realizou uma ótima exibição, batendo-se de igual para igual, cabendo-lhe mesmo as primeiras grandes oportunidades de golo desse histórico duelo. Com o desenrolar do desafio a RFA foi tomando conta do encontro, mas sempre com a defesa portuguesa bem atenta aos ataques de jogadores como Rudi Voller, Karl-Heinz Rummenigge, e Klaus Allofs. As coisas corriam bem à equipa lusa, e poderiam ter corrido ainda melhor caso o mítico Harald Schumacher não tivesse defendido um potente remate de João Pinto já na reta final da contenda. 0-0, o resultado final de um jogo que à partida era visto como uma vitória fácil e robusta dos alemães, algo que acabou por não acontecer graças a uma sensacional equipa portuguesa. O Mundo ficava a (re)conhecer Portugal.
A 1ª jornada deste Grupo 2 foi rica em surpresas. Depois de a RFA escorregar na estreia foi a vez da Espanha desperdiçar a oportunidade de somar 2 preciosos pontos na luta pela qualificação para as meias finais. Os causadores deste percalço espanhol foram uns bravos romenos, os tais que na fase de qualificação haviam deixado os campeões do Mundo (Itália) de fora do Euro. 1-1, o resultado final, tendo o golo romeno sido da autoria de Laszlo Boloni, um nome que anos mais tarde viria a vencer um Campeonato Nacional de Portugal ao serviço do Sporting na qualidade de treinador. Este jogo ficaria ainda marcado pela estreia internacional daquele que com o passar dos anos viria a ser considerado como o Deus do futebol romeno: Gheorghe Hagi.
17 de junho foi o dia da "cimeira ibérica" no Euro. Portugal encontrava a vizinha Espanha no teatro dos sonhos do futebol francês, o Stade Vélodrome, em Marselha. Galvanizados pela excelente exibição ante os alemães os portugueses voltaram a entrar em campo com vontade de surpreender novamente todos aqueles que tinham os olhos postos no que se passava em França. A primeira parte desse encontro contudo não foi famosa para nenhuma das equipas. Na etapa complementar o ritmo do jogo foi alterado... para melhor. O ponto de viragem deu-se ao minuto 52, altura em que António Sousa fez um soberbo golo ao experiente Arconada, fazendo assim o primeiro golo lusitano na fase final de um Europeu. Espanha tremeu, e Portugal poderia ter ampliado a vantagem nos minutos que se seguiram. Contudo, dentro de campo estavam alguns dos melhores jogadores espanhóis de todos os tempos, entre outros a lenda do Real Madrid, Santillana, jogador que aos 73 minutos aproveitou uma confusão na área portuguesa para bater Manuel Bento e repôr a igualdade no marcador. O resultado não se alterou até final, e Portugal, contra todas as previsões, continuava na luta por um lugar nas meias finais, dependendo apenas de si para alcançar essa meta. Quem diria! No outro jogo a RFA vencia a Roménia por 2-1, mas continuava a dar indícios de que não estava em forma para defender o título conquistado 4 anos antes em Itália.
Face a este panorama os dois outsiders do grupo, Portugal e Roménia, dependiam apenas de si para seguir em frente na prova e deixar pelo caminho um dos favoritos, Espanha ou Itália.
Nantes e Paris assistiram pois a duas verdadeiras finais. Na primeira cidade Portugal enfrentava a Roménia com o objetivo da vitória, objetivo idêntico ao dos romenos. Talvez por isso ambas as equipas tivessem praticado um jogo cauteloso, pouco atraente. Apesar deste resguardo pertenceram aos portugueses as melhores oportunidades de golo do encontro, através de iniciativas de Fernando Gomes, Diamantino e do genial Chalana, que se viria a revelar como a grande estrela do conjunto português ao longo desta fase final. Até que a cerca de 20 minutos do fim Portugal mexe no seu setor ofensivo, retirando um médio (Carlos Manuel) e introduzindo um avançado (Nené). Troca que daria os seus frutos aos 81 minutos. Pontapé de canto apontado por António Sousa, alívio da defesa romena, tendo a bola ido parar novamente aos pés do médio lusitano, o qual cruzou de novo para a área onde apareceu Nené que fez o gosto ao pé e apontou o único golo do encontro. Portugal vencia e estava nas meias finais do Euro 84! A festa estoirava em Nantes.
Em Paris a RFA continuava a desiludir! Os campeões da Europa protagonizavam a pior campanha internacional de que havia memória! Sem fazer um jogo fenomenal a Espanha aproveitou-se da desinspiração germânica para garantir a presença entre as quatro últimas equipas da competição, graças a um golo tardio do defesa Maceda, que assim mandou os pupilos de Jupp Derwall mais cedo para casa.

Portugueses estiveram prestes a chocar o Mundo num épico jogo em Marselha

O Vélodrome de Marselha acolheu a 23 de junho um encontro que com o passar dos anos ascenderia ao patamar da imortalidade. Um encontro épico, digno de figurar entre os melhores momentos da história dos Campeonatos da Europa. A favorita França media forças com a surpreendente seleção portuguesa comandada pelo pequenio genial Fernando Chalana. Ambiente fantástico naquela que é a cidade do futebol francês, a cidade onde a modalidade é vivida de uma forma apaixonante. Portugal não se amedrontou com o ambiente, muito menos com a constelação de estrelas que os franceses apresentavam em campo, acabando por contribuir para o espetáculo com mais uma exibição memorável. A equipa da casa adiantou-se no marcador aos 24 minutos na sequência de um livre à entrada da área lusa. Quando todos pensavam no mestre Platini para cobrar a falta eis que aparece o defesa Domergue a rematar para o fundo da baliza de Bento. Dali em diante o jogo tornou-se numa verdadeira avalanche ofensiva, em especial do lado francês, valendo a Portugal... São Bento, que fez uma das melhores exibições da sua gloriosa carreira. Na segunda parte a equipa técnica portuguesa resolve apostar num segundo avançado, aumentando desta forma o seu caudal ofensivo. A aposta daria os seus frutos aos 74 minutos quando Jordão repôs a igualdade no seguimento de um cabeceamento certeiro. O Vélodrome gelou! A garra lusitana obrigava os artistas franceses a um esforço extra, um prolongamento de 30 minutos. E ai o escândalo esteve quase a acontecer. Sentindo que podia ir mais longe na competição Portugal continuou a atacar a baliza do brilhante Joel Bats, até que aos 98 minutos Marselha apagou de vez com o segundo tento lusitano, de novo apontado por Rui Jordão, a corresponder da melhor maneira a uma jogada genial do endiabrado Chalana. Portugal estava a 22 minutos de alcançar o sonho, a 22 minutos de virar o pesadelo do povo francês.
Como sempre o fizera Platini pega na batuta e comandou a orquestra francesa no recital de futebol que se visionou nos minutos seguintes. Os portugueses defendiam como podiam, sem nunca deixar de espreitar o ataque. Os minutos iam passando e os franceses pareciam chocados com aquilo que viam, até que Domergue voltou a colocar a palavra esperança no dicionário gaulês. O jogo voltava à estaca zero, estava de novo empatado graças ao novo tento do defesa do Toulouse. E quando já toda a gente pensava no desempate através das grandes penalidades eis que a genialidade francesa volta a mostrar-se no relvado do Vélodrome. Lance de insistência de Tigana que só parou nos pés do mago que Michel Platini, que dentro da área bateu o desamparado Bento. 3-2 a um minuto do fim, e a França estava na sua final para delírio do povo gaulês que finalmente podia respirar com tranquilidade. Portugal caia de pé, mostrando ao Mundo que a aventura de Eusébio e companhia em 66 não havia sido obra do acaso, que o seu futebol tinha lugar na alta roda internacional, agora interpretado por astros como Fernando Gomes, Nené, Sousa, João Pinto, Jordão, Bento, e de um pequeno génio chamado Chalana, que no final deste Euro foi muito justamente considerado como um dos melhores artistas do torneio.

Espanha ganha a lotaria 

Na outra meia final, realizada em Lyon, a fúria espanhola moralizada pela vitória diante da poderosa RFA enfrentava a guerreira Dinamarca. Os espanhóis entraram no campo a comandar mas foram os nórdicos os primeiros a marcar, e bem cedo, por Lerby, aos 7 minutos. Em desvantagem a "roja" continuou a atacar, mas sem efeitos. Até que no segundo tempo o defesa Maceda voltou a fazer das suas ao faturar o tento do empate. Dali em diante a partida endureceu, sempre com o sinal mais do lado dos espanhóis que detiveram várias oportunidades para colocar um ponto final no encontro. Não o conseguiram e houve a necessidade de jogar-se um prolongamento de 30 minutos que nada de novo acrescentou. Chegou-se então às grandes penalidades, e ai a equipa de Miguel Muñoz seria mais forte, acabando por vencer por 5-4 e garantindo desta forma a presença pela segunda vez na sua história na final de um Europeu.

França alcança a glória com ajuda preciosa de Arconada

Quase 50 000 pessoas marcaram presença no dia 27 de junho para assistir aquele que viria a ser o primeiro momento de glória internacional do futebol francês. A grande final estava ai, e com a França presente. Contudo o factor casa não se fez notar na primeira parte da final, com os espanhóis a mostrar que não estavam ali para serem meros convidados da festa gaulesa. O equilíbrio continuou a ser nota dominante na etapa complementar, até ao... minuto 56. Altura em que Platini e o guarda redes espanhol Arconada se tornaram nas figuras centrais do encontro. O génio francês prepara-se para apontar um livre perigoso à entrada da área. O remate sai fraco, mas de forma incrível o experiente Arconada deixa passar a bola por baixo das pernas, oferecendo assim o primeiro golo à equipa da casa. Um frango monumental, dos mais incríveis e trágicos da história do futebol! A Espanha ficou afetada com o erro do seu guardião, e mesmo dispondo de uma ou duas oportunidades junto da baliza de Bats nunca mais se encontrou no relvado do Parque dos Príncipes. O golo de Platini parece ter feito bem à França, que passou a jogar de uma forma mais descontraída, conseguindo finalmente colocar em prática a beleza do seu futebol. E seria já na fase do desespero espanhol que Bellone sentenciaria a final em cima do minuto 90, carimbando o primeiro sucesso internacional do seu país. A França entra em delírio, ao ver a sua seleção ser coroada como a nova campeã da Europa. Mais do que o título em si este foi uma espécie de reconhecimento internacional a uma geração fantástica do futebol gaulês, jogadores que ascenderam ao patamar da imortalidade, casos de Bats, Domergue, Bossis, Fernández, Lacombe, Tigana, Giresse, e claro está, Michel Platini, que além de ter sido de forma natural considerado como o melhor jogador da competição foi o rei dos marcadores, com 9 remates certeiros, um recorde que se mantém até hoje na história dos Euros. 

Jogos

Grupo 1

1ª Jornada
12 de junho, em Paris
França - Dinamarca: 1-0
(Platini, aos 77m)

13 de junho, em Lens
Bélgica - Jugoslávia: 2-0
(Vanderbergh, aos 27m, e Grun, aos 44m)

2ª Jornada

16 de junho, em Nantes
França - Bélgica: 5-0
(Platini, aos 3m, 74m, 88m, Giresse, aos 32m, e Fernández, aos 43m)
16 de junho, em Lyon
Dinamarca - Bélgica: 5-0
(Arnesen, aos 7m, 68m, Berggreen, aos 16m, Elkjaer, aos 81m, e Lauridsen, aos 83m)

3ª Jornada

18 de junho, em Saint-Étienne
França - Jugoslávia: 3-2
(Platini, aos 59m, 61m, e 76m)
(Sestic, aos 31m, e Stojkovic, aos 80m)
19 de junho, em Estrasburgo
Dinamarca - Bélgica: 3-2
(Arnesen, aos 40m, Brylle, aos 60m, e Elkjaer, aos 83m)
(Ceulemans, aos 25m, e Vercautern, aos 38m)

Classificação

1-França: 6 pontos
2-Dinamarca: 4 pontos
3-Bélgica: 2 pontos
4-Jugoslávia: 0 pontos

Grupo 2

1ª Jornada

14 de junho, em Estrasburgo
RFA - Portugal: 0-0
14 de junho, em Saint-Étienne
Espanha - Roménia: 1-1
(Carrasco, aos 22m)
(Boloni, aos 35m)

2ª Jornada

17 de junho, em Lens
RFA - Roménia: 2-1
(Voller, aos 24m, e 65m)
(Coras, aos 46m)
17 de junho, em Marselha
Portugal - Espanha: 1-1
(Sousa, aos 51m)
(Santillana, aos 72m)

3ª Jornada

20 de junho, em Paris
RFA - Espanha: 0-1
(Maceda, aos 89m)
20 de junho, em Nantes
Portugal - Roménia: 1-0
(Nené, aos 81m)

Classificação

1-Espanha: 4 pontos
2-Portugal: 4 pontos
3-RFA: 3 pontos
4-Roménia: 1 ponto

Meias finais

23 de junho, em Marselha
França - Portugal: 3-2
(Domergue, aos 24m, 115m, e Platini, aos 119m)
(Jordão, aos 74m, 98m)

24 de junho, em Lyon
Espanha - Dinamarca: 1-1 (5-4 nas grandes penalidades)
(Maceda, aos 66m)
(Lerby, aos 7m)

Final

França - Espanha: 2-0

27 de junho, no Parque dos Príncipes, em Paris

Árbitro: Vojtech Christov (Checoslováquia)

França: Bats, Battiston (Amoros, aos 72m), Le Roux, Bossis, Domergue, Giresse, Tigana, Fernández, Platini, Lacombe (Genghini, aos 80m), e Bellone. Treinador: Michel Hidalgo

Espanha: Arconada, Urquiaga, Salva (Roberto, aos 85m), Gallego, Julio Alberto (Sarabia, aos 77m); Senõr, Victor, Camacho, Francisco, Santillana, e Carrasco. Treinador: Miguel Muñoz

Golos: 1-0 (Platini, aos 56m), 2-0 (Bellone, aos 90m)


Onze ideal:

Bento (Portugal)
Morten Olsen (Dinamarca)
Brehme (RFA)
Eurico (Portugal)
Señor (Espanha)
Giresse (França)
Tigana (França)
Platini (França)
Chalana (Portugal)
Voller (RFA)
Jordão (Portugal)
Melhor marcador: 

Platini (França): 9 golos

Legenda das fotografias:
1-Logotipo do Euro 1984
2-Platini em mais uma ação soberda diante da Bélgica
3-Espanha manda campeã da Europa em título, a RFA, para casa mais cedo
4-Fase daquele que é considerado um dos melhores jogos de sempre dos Europeus, o França - Portugal
5-Espanhóis só nas grandes penalidades conseguiram afastar os combativos vikings da Dinamarca
6-Giresse parece ser dono do lance na grande final do Euro
7-Platini festeja um golo diante da Dinamarca
8-A surpreendente equipa dinamarquesa...
9-... e uma das suas estrelas principais, Elkjaer, a festejar o apuramento para as meias finais diante da Bélgica
10-A fúria espanhola
11-Desoladora RFA vence apenas um único jogo no Euro 84, diante da Roménia
12-O genial Chalana
13-E a seleção portuguesa que alcançou o apuramento para as meias finais diante da Roménia
14-Tigana conduz o esférico na final...
15-... enquanto Platini ergue a primeira coroa de glória do futebol gaulês
16-O mítico frango de Arconada
17-A fotografia final dos Campeões da Europa de 84
18-Platini, o rei dos marcadores

Vídeo: FRANÇA - ESPANHA
video

Nenhum comentário: